Luckács, Gyorgy (1885-1972)

 

 Marxista húngaro. Nasce numa família de nobres judeus. Estuda em Budapeste, doutorando-se em 1916. Passa para a Alemanha, onde tem aulas particulares com Heinrich Rickert e Max Weber. Participa como comissário para a cultura no governo da República Popular da Hungria de Bela Kun. Refugia-se em Moscovo depois da subida de Hitler ao poder. Regressa à Hungria depois do fim da Segunda Guerra Mundial. Participa no governo instalado depois da revolta de 1956. Com ele dá-se um reforço hegeliano do marxismo, principalmente pela teorização da consciência de classe, em Geschichte und Klassenbewusstein, obra publicada em Berlim, em 1923. Trata-se de uma entidade supra-individual, infinita e absoluta, tal como o Weltgeist, ideia que tanto é criticada pela III Internacional, como pela social-democracia. Considera que "o proletariado só cumpre a sua tarefa suprimindo-se,levando até ao fim a sua luta de classe e instaurando uma sociedade sem classes". Salienta que a consciência de classe do proletário é que pode vencer aquilo que considera ser a "reificação" do homem, a transformação do homem num objecto,segundo um modelo maquinal. Porque no capitalismo, a racionalização fundada no cálculo incorpora o trabalhador como parcela mecanizada num sistema mecânico. Observa também que o sentido revolucionário é o sentido da totalidade,uma concepção total do mundo onde o conhecimento e a acção, bem como a teoria e prática são identificadas. Critica assim o materialismo mecanicista,que considera um simples positivismo, acentuando o papel da consciência humana que não reflecte passivamente uma prévia realidade empírica.

Geschichte und Klassenbewusstsein

Berlim, Mulik Verlag, 1923

Trad. fr. Histoire et Conscience de Classe, Paris, Éditions de Minuit, 1960).

 


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: