Easton, David  n. 1917

 

Canadiano, nascido em Toronto. Doutorado em Harvard. Professor na Universidade de Chicago desde 1947.

 

Autoridade na distribuição dos valores

Considera que a vida política consiste em acções relacionadas com a autoridade na distribuição dos valores (the political life consists of those actions related to the authoritative allocation of values) e o sistema político aparece como um complexo de actividades, dotado de autonomia (a system of interrelated activities influence the way in which authoritative decisions are formulated and executed for a society)[1]. Observa que a luta pelo poder não descreve o fenómeno essencial da vida política; ela refere-se apenas a um aspecto relativamente importante, mas que permanece, apesar de tudo secundário, concluindo que o poder é apenas uma das variáveis significativas. Tendo apenas isto em atenção, omite-se uma dimensão também muito importante da vida política, isto é, a sua orientação relativamente a outros fins para além do poder. A vida política não consiste apenas numa luta pelo poder.

 

Autonomia do sistema político

Procura a autonomia do sistema político a partir da ideia de comunicação, entendida como o processo de converter a informação em poder. O sistema político é compreendido como um sistema de distribuição autoritária de valores, como um conjunto de interacções pelas quais se efectua a distribuição (allocation) autoritária (authoritative) de valores para uma sociedade. A vida política aparece como a complex set of a process through which certain kinds of inputs are converted into the type of outputs we may call authoritative policies, decisions and implementing actions. E seria este processo funcional da distribuição ou atribuição de valores, isto é, de objectos pelo mesmo sistema valorizados, distribuição marcada pela autoridade, pela imperatividade, que constituiria o traço distintivo do sistema político. Com esta perspectiva sistémica, a ciência política volta assim a ganhar autonomia face à sociologia e, pela via funcionalista, regressam temas fundamentais como os dos valores e e da autoridade. Da mesma forma, se considera que a vida política tem a ver com a unidade mais inclusiva, não podendo confundir-se com outros sistemas parapolíticos. Na linha do behaviorismo e de Parsons, coloca como noção fulcral da respectiva análise a ideia de ambiente (environment), considerando que o sistema político é um sistema de comportamentos incluído num dado ambiente, um sistema que é influenciado pelo ambiente onde se insere, mas que também responde ou reage a esse ambiente.

 

Ambiente

Existiria tanto um intra-societal environment, um ambiente interior, como um extra-societal environment, um ambiente exterior. O ambiente interior seria o da sociedade global, entendida como a soma do sistema político propriamente dito como o dos sistemas não políticos, mas situados dentro do ciírculo da sociedade global, como o sistema ecológico, o sistema biológico, o sistema psicológico (personality system) e os sistemas sociais, incluindo nestes últimos, o sistema cultural, a estrutura social, sistema económico, o sistema demográfico e outros subsistemas. O ambiente exterior seria o ambiente que cerca a sociedade global, enumerando Easton três elementos deste ambiente: international political systems, international ecological systems e international social systems. O ambiente total do sistema político seria assim a soma do ambiente interior com o ambiente exterior.

 

Caixa negra

Já o sistema político propriamente dito funcionaria como uma caixa negra produtora de decisões e de acções (outputs), que teria como entradas, como inputs, tanto as exigências (demands) como os apoios (support). Aqui, Easton, na linha de Parsons, sofre as influências das teses de Wassily Leontief, anterior Prémio Nobel da Economia, que havia desenvolvido a análise sistémica dos inputs-outputs, perspectivando o sistema como algo de complexo que está em fluxo constante, em perpétuo movimento, dado que o output vai influenciar o input.

 

Inputs

O apoio traduz-se na disposição de um actor A relativamente a B, quando A actua em favor de B ou quando se orienta favoravelmente face a B, podendo B ser uma pessoa, um grupo, um fim, uma ideia ou uma instituição[2]. Já a exigência é definida como a expressão da opinião que uma atribuição dotada de autorida, respeitante a um domínio particular, deve ou não ser feita pelos que para tal são encarregados[3].

 

Outputs

Os outputs constituiriam a distribuição autoritária de valores, pelos quais um sistema político diminuiria o peso das exigências que lhe são dirigidas ou maximizaria os apoios de que dispõe.

 

Retroacção

Dentro da caixa negra do sistema, far-se-ia a retroacção da informação, a conversão das demands em outputs, através das chamadas autoridades. Pela retroacção um sistema político pode assim ajustar a sua actividade tendo em conta os resultados da sua actividade passada. Ela aparece como um conjunto de processos que permite ao sistema controlar e regularizar as perturbações que se façam sentir.

 

Revolução pós-behaviorista

Em 1969, vem falar na necessidade de uma postbehavioral revolution nos domínios da ciência política, onde fosse possível conciliar os métodos quantitativos e o apelo aos factos da revolução comportamentalista, com os dados qualitativos da teoria política e os valores, uma revolução que não seria rejeição do contributo behaviorista para o alargamento da base cogniscitiva da ciência política, mas que teria de aliar, a tais métodos quantitativos, o qualificativo de uma teoria geral própria.

 

·The Political System. An Inquiry into the State of Political Science

Nova York, Alfred A. Knopf, 1953.

 

·«The Perception of Authority and Political Change»

In Friedrich, Carl Joachim, ed., Nomos I - Authority, Cambridge, Massachussetts, Harvard University Press, 1958.

 

·A Systems Analysis of Political Life

Nova York, John Wiley & Sons, 1965 [trad. fr. L’Analyse du Système Politique, Paris, Librairie Armand Colin, 1974]

 

·A Framework for Political Analysis

Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1965 [trad. cast. Esquema para el Análisis Político,  Buenos Aires, Ammorrortu, 1982.

 

·Varieties of Political Theory

Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1966. Ed.

 

·Contemporary Political Analysis

Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1967.

 

·«The New Revolution in Political Science»

In American Political Science Review, vol. LXIII, n.º Dez., pp. 1051-1061, Washington D. C., APSA, 1969.

 

·Children in the Political System. Origins of Political Legitimacy

Nova York, MacGraw-Hill, 1969. Com Jack Dennis.

 

·«The Political System Besieged by the State»

In Political Theory, n.º 9, pp. 303-321, 1981.

 

·«Political Science in the United States. Past and Present»

In International Political Science Review, vol. 6, Londres, IPSA, 1985.

 

·The Globalization of Political Science

Washington D. C., 1988. 

 

·The Development of Political Science. A Comparative Survey

Londres, Routledge & Kegan Paul, 1991. Com John Gunnel e Luigi Graziani.

 

·The Analysis of Political Structure

Londres, Routledge & Kegan Paul, 1990.

 

·Regime and Discipline. Democracy and the Development of Political Science

Ann Arbor, University of Michigan Press, 1995. Com John G. Gunnel e Michael B. Stein, eds.

 



[1]Sobre a matéria DAVID M. RICCI, The Tragedy of Political Science. Politics, Scholarship, and Democracy, New Haven, Yale University Press, 1984, p. 215

[2]DAVID EASTON,  A Systems Analysis of Political Life, Nova Iorque, John Wiley & Sons, 1965,..., p. 159

[3] A Systems Analysis ..., p. 18


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: