Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


1847

     Guerra civil que apenas termina com a Convenção do Gramido

   Governo de Saldanha de 6 de Outubro de 1846 a 18 de Junho de 1849.

   Eleições de 28 de Novembro e 12 de Dezembro

 

Jan.  Fev.  Mar.  Abr.  Mai.  Jun.  Jul.  Ag.  Set.  Out.  Nov.  Dez.


Janeiro

6

Suspensão das garantias constitucionais

Sucessivas suspensões das garantias constitucionais (decretos de 6 e 27 de Janeiro; 6 de Fevereiro, 6 de Março, 6 de Abril, 6 de Maio e 6 de Junho).

9

Póvoas nomeado comandante dos patuleias

Em 9 de Janeiro de 1847, o general Póvoas nomeado comandante militar das duas Beiras, aliando-se a Sá da Bandeira.

30

Derrota miguelista em Vila Pouca de Aguiar

Mac Donnel será chacinado em Vila Pouca de Aguiar no dia 30 de Janeiro de 1847.

 

Esquadra cartista, comandada por Soares Franco, bloqueia o Porto.


Fevereiro

20

Remodelação governamental

Em 20 de Fevereiro de 1847: João de Oliveira, conde do Tojal, na fazenda, até 22 de Agosto de 1847; Barão de Ovar, General António da Costa e Silva substitui o Visconde de Algés na guerra. Comerciantes de Lisboa aplaudem a chegada de Tojal à fazenda. Os funcionários públicos não são pagos desde Outubro.

27

Ataque patuleia a Estremoz

O exército da Patuleia, comandado pelo conde de Melo, ataca Estremoz em 27 de Fevereiro.


Março


Abril

9

Sá da Bandeira em Setúbal

Sá da Bandeira, assumindo-se como lugar-tenente da Junta, desembarca no Algarve e inicia marcha para Lisboa. Chega a Setúbal e junta-se à s tropas do conde de Melo e à s guerrilhas do Sul. Tem como colaboradores Braamcamp e José Estevão (9 de Abril)

11

Tumultos em Lisboa

Tumultos em Lisboa, onde estacionam tropas inglesas e espanholas (11 de Abril).

16

Combate do Alto do Viso

Sá da Bandeira detém-se em Setubal. Perde 500 homens no combate do Alto do Viso. Cartistas comandados pelo conde Vinhais (16 de Abril).

  27

Em 27 e 28 de Abril de 1847: Francisco Tavares de Almeida Proença substitui Marcelino Máximo de Azevedo e Melo no reino (até 22 de Agosto de 1847). Manuel Duarte Leitão substitui José Jacinto Valente Farinho nos negócios eclesiásticos e justiça (até 22 de Agosto de 1847). Ildefonso Leopoldo Bayard substitui Ovar na guerra e D. Manuel de Portugal e Castro nos estrangeiros. Conde do Tojal substitui D. Manuel Portugal e Castro, na marinha e ultramar. Valente Farinho, visconde da Oliveira,  visconde de Algés e D. Manuel Portugal e Castro saem do governo

29

Novos tumultos patuleias em Lisboa. Fogem seiscentos presos do Limoeiro. Fome (29 de Abril).

 


Maio

1

Sá da Bandeira aceita armistício

Sá da Bandeira, depois do combate do Alto do Viso, aceita armistício (1 de Maio)

3

Bayard sai da guerra

Em 3 de Maio de 1847: Barão da Ponte da Barca, Jerónimo Pereira de Vasconcelos substitui Bayard na guerra.

27

Esquadra britânica bloqueia o Douro impedindo a saída da esquadra do conde das Antas (27 de Maio).


Junho

3

Divisão espanhola ocupa o Porto (3 de Junho).

12

Sá da Bandeira aceita submeter-se (12 de Junho).

24

Convenção do Gramido

Convenção do Gramido (24 de Junho). Assinam Loulé e António César Teixeira de Vasconcelos pelas juntas, na presença dos espanhóis general D. Manuel de la Concha, coronel Buenaga e o inglês coronel W. Wylde Como salienta Oliveira Martins, o povo voltava para casa, chorando: chorando assistira à entrada de Concha.


Julho


Agosto

 

Depois da Convenção do Gramido, ocorre em 22 de Agosto de 1847 uma ampla renovação do governo. Apenas se mantém o presidente, Saldanha. Segundo as palavras de Lavradio, era o chamado governo lânguido e ambíguo, face à impossibilidade da constituição de um governo forte, como chegou a ser tentado com a integração de Rodrigo da Fonseca e Silva Carvalho. Este governo começou por declara-se imparcial, mas logo tenta formar um terceiro partido, integrando cartistas e setembristas moderados.

António de Azevedo Melo Carvalho, no reino, em vez de Almeida Proença (até 18 de Dezembro de 1847); Francisco António Fernandes da Silva Ferrão nos negócios eclesiásticos e justiça, onde substitui Leitão (até 18 de Dezembro de 1847); Marino Miguel Franzini na fazenda, em vez de Tojal; o barão de Almofala, brigadeiro Silva Leão, substitui o barão de Ponte da Barca, na guerra, até 8 de Janeiro de 1848; João de Fontes Pereira de Melo na marinha e ultramar, substituindo o conde do Tojal (até 18 de Dezembro de 1847); Velez Barreiros, barão da Senhora da Luz, nos estrangeiros, em lugar de Ildefonso Leopoldo Bayard

 

António Bernardo da Costa Cabral regressa do exílio e organiza em Lisboa um centro cartista que tem João Rebelo da Costa Cabral como o principal organizador


Setembro


Outubro


Novembro

28 

Eleições de 28 de Novembro e 12 de Dezembro. As terceiras e últimas eleições do cabralismo, depois da Patuleia e da Convenção do Gramido (24 de Junho de 1847) e de acordo com o decreto de 12 de Agosto de 1847. 142 deputados (119 no continente e 10 nas ilhas, todos por círculos plurinominais; 13 no ultramar, dos 3 por círculos uninominais e 10 por círculos plurinominais). Os homens da patuleia abandonam o acto eleitoral. Estava no poder o Governo de Saldanha, com António de Melo no reino.


Dezembro

18 

Remodelação governamental

·Saldanha na presidência, na guerra (onde substitui Almofala) e nos estrangeiros (o barão da Senhora da Luz);

·Bernardo Gorjão Henriques no reino, onde substitui Melo e Carvalho (até 29 de Março de 1848);

·Joaquim José de Queirós e Almeida nos negócios eclesiásticos e justiça, em vez de Ferrão;

·Coronel José Joaquim Falcão na fazenda, em vez de Franzini;

·Agostinho Albano da Silveira Pinto na marinha e ultramar, em vez de João Fontes Pereira de Melo

 


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: