Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


1856

O ANO DE 1856 EM GERAL

 

Termina a guerra da Coreia com o Tratado de Paris de 30 de Março. Inglaterra, França e Áustria garantem a independência da Turquia.

O czar Alexandre II concede amnistia aos rebeldes polacos.

Natal passa a colónia inglesa, reconhecendo-se os poderes de uma assembleia eleita. No Transvaal organiza-se uma República Sul Africana, com Marthinius Pretorius.

Frota inglesa bombardeia Cantão (3 e 4 de Novembro)

Guerra entre a Inglaterra e a Pérsia

 

Alexis de Tocqueville publica O Antigo Regime e a Revolução

Madame Bovary de Gustave Flaubert

 

Herculano começa a publicar os Portugaliae Monumenta Historica

Publicadas as Poesias de Soares dos Passos.

Surge o Almanaque do Cultivador em 1856-1857

Henriques Nogueira publica O Município no Século XIX

 

Péssimo ano agrícola. Subida dos preços.

 

JANEIRO DE 1856

5

Adiamento das Cortes

Em 5 de Janeiro de 1856, as Cortes são a diadas por 14 dias, até 19 de Janeiro.

 

FEVEREIRO DE 1856

16

Confronto entre Saldanha e o conde de Tomar

Discussão na Câmara dos Pares entre Saldanha e António Bernardo da Costa Cabral, durante três horas.

 

 

MARÇO DE 1856

 

Crise agrícola

Discurso do Visconde da Fonte da Arcada sobre a crise agrícola.

 

 

ABRIL DE 1856

 

Epidemia de cólera

Epidemia de cólera instala-se e difunde-se. De Outubro de 1855 a Novembro de 1856, só em Lisboa há 3 275 mortos. Em Novembro de 1856 a epidemia de cólera extingue-se, mas começa a da febre amarela, a partir de Agosto.

 

JUNHO DE 1856

 

Rei recusa fornada de pares a Saldanha

D. Pedro V recusou a Saldanha uma fornada de vinte pares considerando que a oposição é uma condição essencial dos governos representativos, e todo o ataque que se lhe dirige é um ataque que vai recair sobre as próprias instituições.

 

6

Governo de Loulé

Governo de Loulé. De 6 de Junho de 1856 a 16 de Março de 1859. 1014 dias. 2º governo da Regeneração. 1º governo histórico. 3º governo sob o reinado de D. Pedro V. Promove as eleições de 9 de Novembro de 1856 e de 2 de Maio de 1858. Presidente começou por acumular apenas os estrangeiros; logo em 25 de Junho de 1856 passou a acumular as obras públicas, até 14 de Março de 1857; desde esta data acumulou os estrangeiros e o reino. José Jorge Loureiro na guerra e na fazenda (até 23 de Janeiro de 1857). Júlio Gomes da Silva Sanches no reino, mas por ausência deste, a pasta foi interinamente assumida por Loulé até 25 de Junho de 1856. Elias da Cunha Pessoa nos negócios eclesiásticos e justiça (até 14 de Março de 1857). Sá da Bandeira na marinha e ultramar e nas obras públicas (até 25 de Junho de 1856). Sá da Bandeira foi sempre ministro da marinha, mas acumulou as obras públicas até 25 de Junho de 1856 e a guerra desde 23 de Janeiro de 1857. Silva Sanches começou no reino, acumulou com a fazenda, desde 23 de Janeiro de 1857, e ficou apenas na fazenda desde 14 de Março de 1857.

16

Criação do Banco Mercantil

Carta de lei autoriza a criação do Banco Mercantil. Estavam apenas em funcionamento o Banco de Portugal em Lisboa e o Banco Comercial do Porto.

 

25

Silva Sanches no reino

Em 25 de Junho de 1856: Sá da Bandeira cede as obras públicas a Loulé (até 14 de Março de 1857). Júlio Gomes da Silva Sanches assume efectivamente a pasta do reino (até 14 de Março de 1857)

 

JULHO DE 1856

24

Liberdade para os filhos dos escravos

Em 24 de Julho de 1856, liberdade para os filhos dos escravos nascidos no ultramar, depois de atingirem os 20 anos

 

AGOSTO DE 1856

 

Febre amarela

Surge a epidemia de febre amarela

 

8

Revolta das subsistências

Por causa do mau ano agrícola (no Outono de 1855, grandes chuvadas e cheias), houve no dia 8 de Agosto de 1856 uma manifestação em Lisboa contra a alta do custo de vida, numa das primeiras revoltas dos abastecimentos. Tumultos e assaltos a lojas. Autorizadas importações de géneros alimentícios.

28

Nova Companhia

Constituída a Associação Geral do Comércio e Hipotecas.

 

 

SETEMBRO DE 1856

5

Programa do grupo progressista

Em 5 de Setembro é emitido o manifesto da comissão eleitoral progressista de Lisboa. Já antes, em 3 de Julho, O Portuguez anunciara que o partido progressita anunciaria em breve o respectivo programa. Com efeito, o grupo de Rodrigo e Fontes nunca tivera um programa formal.

 

29

Aumento do número de deputados

Decreto de 29 de Setembro aumenta o número de deputados de 156 para 162. Mais cinco no Continente. Mais um em Ponta Delgada.

 

OUTUBRO DE 1856

28

Inauguarada a linha férrea Lisboa-Carregado

Em 28 de Outubro de 1856 dava-se a inauguração solene do caminho de ferro entre Lisboa e o Carregado.

 

 

NOVEMBRO DE 1856

9

Eleições

Eleições de 9 de Novembro de 1856. Oposição regenerador com 38 deputados. Cinco deputados miguelistas que recusam prestar juramento. Regeneradores conseguem 8 deputados em Lisboa.

 


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: