Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


1881

 

Ano da edição do Portugal Contemporâneo de Oliveira Martins. O primeiro governo progressista é substituído por um governo regenerador que durará cinco anos. Destaca-se a liderança de Fontes e nas eleições de Agosto, há uma esmagadora vitória dos novos governamentais, reduzindo os progressistas a uns meros seis deputados. Aliás, a ala esquerda dos regeneradores, liderad por Barjona de Freitas, almeja substituir o grupo nascido do Pacto da Granja. No Outono, o governo passa a ser presidido por Fontes que, assim, substitui Rodrigues Sampaio. A esmagadora maioria parlamentar regeneradora vai transformar Fontes numa espécie de dono da locanda, manejando um poder oculto

 

Jan.  Fev.  Mar.  Abr.  Mai.  Jun.  Jul.  Ag.  Set.  Out.  Nov.  Dez.


Janeiro

 

Discussão do discurso da Coroa

Em Janeiro de 1881, a oposição de regeneradores, avilistas e constituintes, decide discutir o discurso da Coroa, referindo a questão do tratado com a Inglaterra. O governo passa na Câmara dos Pares apenas por três votos.

 

 

Comício da oposição monárquica

Comício da oposição monárquica em 30 de Janeiro de 1881, no Teatro de S. Carlos.

 

 

Edição do Portugal Contemporâneo

Nesse ano de 1881, Oliveira Martins edita o Portugal Contemporâneo.

 


Fevereiro


Março

6

Comícios contra o Tratado de Lourenço Marques

8

Aprovação parlamentar do tratado de L. Marques

O Tratado de Lourenço Marques é aprovado na Câmara dos Deputados por 74 votos a favor e 19 contra, em 8 de Março, quando ocorrem novos comícios de oposicionistas monárquicos e republicanos. Desaparecem as referências à s concessões perpétuas. O Tratado fora negociado pelo governo regenerador, através de Andrade Corvo, em 30 de Maio de 1879.

 

13

Comício republicano e carga policial

Em 13 de Março houve uma carga da Guarda Municipal contra comício republicano que decorria na Rua de S. Bento

 

 

Fornada de pares

Mais uma fornada de sete pares em 1881

25

Governo regenerador

Governo de Rodrigues Sampaio/ Fontes. De 25 de Março de 1881 a 20 de Fevereiro de 1886. Fontes, entre 1881 e 1883 acumulou a presidência, a fazenda e a guerra. A partir de 1883 acumulou apenas a guerra, mas entre Fevereiro e Novembro assumiu também as obras públicas. Entre os ministros constantes, embora mudando de pasta, apenas Hintze Ribeiro.

 

29

Adiamento das Cortes

Em 29 de Março de 1881, as Cortes são adiadas por 62 dias, até 30 de Maio de 1881.

 


Abril

29

Hintze Ribeiro nos estrangeiros

Em 29 de Abril de 1881: Miguel Martins Dantas, que não chega a exercer, é substituído por Hintze Ribeiro nos estrangeiros. Este exerce estas funções até 14 de Novembro de 1881, quando é substituído por António Serpa.


Maio

3

Morte do duque de Ávila

Morte do duque de Ávila.

 

21

Suspensão do imposto sobre o rendimento

Uma das primeiras medidas do novo executivo, tomada em 21 de Maio de 1881, foi a suspensão do imposto de rendimento que havia sido criado em 18 de Junho de 1880.

 

30

Progressistas atacam o governo

Reabrem as Cortes. Forte ataque dos progressistas ao governo.

 


Junho

Dissolução parlamentar


Julho

7

Decretado o inquérito industrial

Em 7 de Julho de 1881, decretado o inquérito industrial.

 


Agosto

Esmagadora vitória eleitoral dos regeneradores

dedo a apontar.gif (956 bytes)Eleições de 21 de Agosto de 1881. António Cândido aparece como deputado progressista. Esmagadora vitória dos novos governamentais, os regeneradores, que reduzem os progressistas a seis deputados. Os regeneradores patrocinam os constituintes e a ala esquerda dos governamentais, a unha preta, tenta desempenhar a função da oposição.

 


Setembro


Outubro

Defendida a criação de um ministério da agricultura

Ferreira Lapa defende a criação de um ministério da agricultura

 


Novembro

14

Fontes regressa à presidência

Em 14 de Novembro de 1881: Fontes substitui Rodrigues Sampaio na presidência; ocupou a fazenda, até então de Lopo Vaz, director geral da instrução e das alfândegas, e substituiu na guerra o general Caetano Pereira Sanches de Castro; Tomás Ribeiro sucede a Rodrigues Sampaio no reino; Júlio de Vilhena sai da marinha e ultramar e substitui o juiz Augusto José de Barros e Sá na justiça; José de Melo Gouveia, na marinha e ultramar; António Serpa nos estrangeirosHintze Ribeiro nas obras públicas (até 24 de Outubro de 1883) Rodrigues Sampaio demite-se quando estava gravemente doente, invocando, como pretexto, um conflito de competências entre os ministros da guerra e da fazenda.  Falecerá em 13 de Setembro de 1882. Antes, tinham falecido António José de Ávila (3 de Maio de 1881) e Alves Martins (5 de Fevereiro de 1882).

 

Fontes exclui Lopo Vaz da governação. Conforme as palavras de Júlio Vilhena, Fontes era liberal, mas a questão religiosa aterrava-o e bulir nela, ainda de leve, punha-lhe calafrios na medula. Assim, prefere equilibrar, ir vivendo, durar, segundo as palavras de Lopes d’Oliveira

 


Dezembro


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: