Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


1906

Jan.  Fev.  Mar.  Abr.  Mai.  Jun.  Jul.  Ag.  Set.  Out.  Nov.  Dez.


Janeiro


Fevereiro

1

Discurso da Coroa

2

Alpoim critica o rei

Alpoim declara que a Coroa não tem direito a censurar ninguém

 

7

Apresentação parlamentar dos novos ministros

Em 7 de Fevereiro de 1906, sessão agitada na Câmara dos Deputados quando José Luciano apresenta os novos ministros. A sessão foi interrompida e evacuadas as galerias, onde se grita viva a República, abaixo o governo tabaqueiro, fora o chefe da quadrilha de ladrões.

 

9

Conselho de Estado não dá parecer favorável à dissolução parlamentar

Em 9 de Fevereiro, o Conselho de Estado não aprova proposta de José Luciano para a dissolução das cortes, por 7/4.  Hintze, em 12 de Fevereiro, propõe coligação das oposições monárquicas em defesa do rei que o governo comprometera.

 

13

Apreensão de jornais oposicionistas

No dia 13 são apreendidos O Mundo, de França Borges, e O Primeiro de Janeiro (Alpoim era correspondente em Lisboa deste jornal).

16

No dia 16 são apreendidos A Paródia, o Novidades  e O Liberal.

19

 

Manifesto dos estudantes de Coimbra contra a degradação da actividade governamental.

 

20

 

Estudantes do Liceu do Carmo em Lisboa queimam um grande charuto de cartão, onde podia ler-se Abaixo o Governo

 

22

Protesto colectivo dos jornais de Lisboa contra o governo

Manifesto das empresas jornalísticas de Lisboa contra a apreensão de jornais. Subscrevem-nos França Borges, por O Mundo, Moreira de Almeida, O Dia, Magalhães Lima, Vanguarda, Alfredo Cunha, Diário de Notícias, Zeferino Cândido, A Época.

 

 


Março

11

D. Carlos em Espanha

No dia 11 de Março, D. Carlos parte para Espanha (regressa a 16).

 

19

Demissão de José Luciano

José Luciano demite-se.

 

21

Governo de Hintze Ribeiro

28

Nomeados novos governadores civis e administradores de concelho. Conde de Sabrosa, governador civil de Lisboa (28 de Março)

 


Abril

4

Anunciado o acordo entre franquistas e progressistas

Anunciado em O Século, o acordo de concentração liberal entre José Luciano e João Franco (4 de Abril).

 

8

Revolta do cruzador D. Carlos

No dia 8 de Abril de 1906, amotinação do cruzador D. Carlos I, surto no Tejo. Consegue a pacificação junto dos revoltosos o antigo ministro Francisco Joaquim Ferreira do Amaral. Era a primeira revolta da história da armada portuguesa.

 

13

Revolta do couraçado Vasco da Gama

No dia 13, sublevação no couraçado Vasco da Gama.

 

19

D. Carlos inaugura a Sala Portugal da Sociedade de Geografia de Lisboa.

 

22

Comícios republicanos em Lisboa

Comícios republicanos na Estefânia e nos Olivais, em 22 de Abril (domingo).

 

24

Apreensão de jornais

No dia 24 são apreendidos os jornais Lucta, Vanguarda e Mundo por publicarem os discursos dos comícios.

 

29

Eleições

Eleições em 29 de Abril (domingo). Não são eleitos deputados republicanos, mas à última hora, Bernardino Machado, graças ao uma chapelada governamental, aparece eleito pela assembleia do Peral. Até teve três vezes mais votos do que os eleitores…

 


Maio

1

Brito Camacho funda o jornal A Lucta

4

Incidentes no Rossio em 4 de Maio, quando republicanos esperam a chegada de Bernardino Machado.

 

6

D. Carlos vaiado e Afonso Costa ovacionado no Campo Pequeno

No dia 6, incidentes na praça de touros do Campo Pequeno: espectadores voltam as costas à família real e ovacionam Afonso Costa.

 

7

 

Jornal O Mundo é apreendido.

 

8

Reunião entre D. Carlos e João Franco

D. Carlos conferencia com João Franco no Palácio das Necessidades.

 

13

Duelo entre Ferreira Borges, de O Mundo, e Eduardo Schwalbach, do Notícias de Lisboa, por causa dos incidentes do dia 4.

15

Rei não concede adiamento das Cortes a Hintze Ribeiro

Em 15 de Maio, o governo pede o adiamento das Cortes. D. Carlos não vai conceder a pretensão de Hintze.

 

19

Governo de João Franco

 

Conforme observa António Cabral, fazia 36 anos que o Marechal Saldanha pela última vez se revoltara…[1]

 

João Franco anuncia querer governar à inglesa, isto é, com energia, mas com iequidade, dentro do espírito das leis, com mão suave e firme. Fala-se na concretização do programa de vida nova. Antes de formar governo, em conversa com José Luciano, diz: conto para governar com a minha honestidade, com a minha energia e com os meus amigos da Câmara, principalmente com a opinião pública (19 de Maio de 1906)[2].

 

Governo conta com o apoio de Melo e Sousa, de Firmino João Lopes e especialmente do diplomata marquês de Soveral, então em Londres. João Franco terá o apoio de Fialho de Almeida, Ramalho Ortigão, Teixeira Lopes. Costa Goodolphim, Antero de Figueiredo, Eugénio de Castro, Henrique da Gama Barros, Gomes Teixeira, José Maria Rodrigues, Visconde de Castilho, António Viana, Tavares Proença. José Maria dos Santos e João de Mascarenhas Gaivão. Entre os jornalistas, Álavro Pinheiro Chagas e Aníbal Soares.

 

Regresso de Hintze ao Crédito Predial

Hintze Ribeiro, bastante doente, regressa ao Crédito Predial como vice-governador, tendo como governador José Luciano.

 

19

Jornal regenerador contra o Paço

O Novidades de 19 de Maio fala na reacção da luva branca no Paço, insinuando que o governo de Hintze caíra devido à s pressões de Luís Soveral junto de D. Carlos.

 

25

Campanha de imprensa contra Schroeter

Começa uma campanha de imprensa contra Schroeter, considerado como cidadão austríaco  No dia 25 de Maio sai notícia sobre a matéria no jornal regenerador Novidades

 

20

Novos governadores civis

Eduardo Segurado novo governador civil de Lisboa e Teixeira de Vasconcelos para o Porto (20 de Maio).

 

27

Aumento dos vencimentos dos empregados do Estado

Aumento dos vencimentos dos pequenos funcionários públicos (27 de Maio).

 

24

Homenagem a Abel de Andrade

Banquete de homenagem a Abel de Andrade no Palácio de Cristal, no Porto, em desafio a João Franco.

 

25

 

No dia 25 de Maio, o governo, pela voz de João Franco, anuncia o seu programa no Centro Melo e Sousa: tolerância e liberdade para o país compreender a monarquia.

 

27

Conferência entre Franco e Hintze

No dia 27, João Franco conferencia com Hintze (concede-lhe 40 dias de licença, para tratamento no estrangeiro).

 

28

Reunião do Conselho de Estado

No dia 28 de Maio, Conselho de Estado vota amnistia para os crimes de imprensa (publicada a lei no dia 30)  e anuncia-se a nomeação de novos oito pares do reino (Gama Barros, Melo e Sousa, Luciano Monteiro, José Luís Ferreira Freire, Firmino João Lopes, José Lobo Amaral, visconde de Tinalhas e Teixeira de Vasconcelos).

 

29

 

Reunião de republicanos sobre o caso Schroeter.

 

30

Pimentel Pinto na chefia dos regeneradores

No dia 30, Hintze parte para o estrangeiros, em convalescença, e deixa Pimentel Pinto a chefiar os regeneradores. Hintze regressará a 23 de Julho.

 

31

Rei começa a presidir aos Conselhos de Ministros

D. Carlos começa a assistir aos conselhos de ministros (31 de Maio).

 

 


Junho

1

Apresentação parlamentar

Reabrem as Câmaras. Apresentação parlamentar do novo governo no dia 1 de Junho.

 

1

Manifestação de republicanos contra Schroeter

Manifestação de republicanos contra Schroeter. Discurso de Bernardino Machado e polícia não intervém. A manifestação entregou uma petição ao presidente da Câmara dos Pares, general Sebastião Teles (1 de Junho).

 

4

Apresentação do governo na Câmara dos Pares

No dia 4 de Junho, governo apresenta-se na Câmara dos Pares. José Luciano promete apoio leal e Pimentel Pinto, oposição frontal.

 

5

Conselho de Estado apoia a dissolução parlamentar

No dia 5, Conselho de Estado vota dissolução da Câmara dos Deputados.

 

6

Hintze e Bernardino, cidadãos brasileiros

Jornal franquista Diário Ilustrado publica certidão de idade de Hintze Ribeiro, onde este é considerado cidadão brasileiro. Aliás, nas mesmas circunstâncias se encontra Bernardino Machado, também nascido no Brasil.

18

Franco inquire Abel de Andrade

João Franco manda abrir inquérito à direcção-geral da instrução pública.

 

 


Julho

17

João Franco no Porto

 

D. Carlos no Norte

D. Carlos visita Pedras Salgadas, Chaves e Vidago, na segunda metade de Julho.

 

29

Franco critica os partidos

Discurso de João Franco no Centro José Novais: um partido, no significado honesto e verdadeiro da palavra, não existe no nosso país há muito tempo, pelo menos dentro das fronteiras da política monárquica (29 de Julho).

 

30

Decreto sobre a crise do Douro

Decreto sobre a crise do Douro em 30 de Julho. É definida territorialmente a zona demarcada.

 

 


Agosto

2

Incidentes em Alcântara na inauguração de centro franquista

Inaugurado o centro franquista Marques Leitão em Alcântara. João Franco é recebido com apupos de republicanos: os republicanos estão a pedir sabre policial. Presente o industrial Alfredo da Silva que é alvo de uma pedrada (2 de Agosto).

 

4

Suspensão de impostos no Douro

Suspensa a cobrança do real de água na região do Douro

 

6

Carta de D. Carlos a João Franco

Seja como for e suceda o que suceder, temos de caminhar para diante, ainda que a luta seja rude e áspera (e espero-o), porque aqui, mais do que nunca, parar é morrer, e eu não quero morrer assim … nem tu!

11

João Franco inaugura cozinha económica na Rua de S. Bento

14

Julgamento dos revoltosos do cruzador D. Carlos. Sentença extremamente rigorosa.

19

Eleições

Eleições em 19 de Agosto. A 44ª eleição geral da monarquia constitucional, com vitória dos governamentais. Há quatro deputados republicanos eleitos por Lisboa, apesar da lista governamental os ter vencido por cerca de duas centenas d evotos.

 

20

D. Carlos, em Mafra, escreve a João Franco sobre as eleições: fizeram-se com uma ordem e uma liberdade a que estamos desabituados, ordem e liberdade em que é absolutamente necessário não só entrar, como agora, mas prosseguir

23

Rei parte em viagem oceânica.

25

Exoneração de Abel de Andrade

Abel de Andrade é exonerado de director geral da instrução pública, sendo substituído por Agostinho de Campos (25 de Agosto)

26

Duelo entre Colen e Chagas

Duelo entre Barbosa Colen de Novidades e o franquista Pinheiro Chagas do Jornal da Noite.

28

Começa o julgamento dos revoltosos do Vasco da Gama

 


Setembro

21

Duelo entre Abel de Andrade e Aníbal Soares

Duelo entre Abel de Andrade e Aníbal Soares, jornalista franquista do Diário Ilustrado

 

29

Abertura das novas Cortes

Abrem as Cortes em 29 de Setembro. João Franco: vão idos os tempos dos jogos florais das questões políticas, dos obstruccionismos, de todas essas farragens velhas e antigas que durante muito tempo fizeram, desgraçadamente, a ilusão dos membros do parlamento português. Ataques de Afonso Costa e Alexandre Braga.

 


Outubro

14

Funerais de Heliodoro Salgado

17

D. Tomás de Vilhena na Câmara dos Deputados fala na união adúltera e híbrida da coligação liberal.

18

António José de Almeida discursa na Câmara dos Deputados: se o sr. João Franco estende as mãos aos republicanos, ela fica-lhe no ar abandonada, porque nós não lha queremos

20

Afonso Costa sobre João Franco, na Câmara dos Deputados: à frente do governo está um rábula

29

Duelo entre José de Alpoim e o jornalista Gaspar de Abreu do jornal Correio da Noite

 


Novembro

4

Vitória republicana nas eleições municipais do Porto

Eleições municipais do Porto, com vitória dos republicanos em 4 de Novembro de 1906.

 

6

Discurso de Hintze Ribeiro na Câmara dos Deputados. Pergunta se a coligação de  franquistas e de progressistas é de responsabilidade limitada ou de parceria

7

João Arroio critica João Franco e D. Carlos

Discurso de João Arroio no parlamento. Considera que João Franco está a fazer a revolução nos bancos do poder auxiliando poderosamente a onda revolucionária. Também critica directamente o Paço, por D. Carlos alojar Soveral e pelo teor das cartas do rei para Hintze Ribeiro.

 

8

Assinado o contrato dos tabacos.

12

Dantas Baracho critica o rei

Dantas Barcho na Câmara dos Pares critica obras realizadas à custa do Estado na Casa Real. No dia 16 o mesmo par do reino pede nota discriminada dos adiantamentos feitos à Casa Real.

 

20

Questão dos adiantamentos no parlamento

Questão dos adiantamentos no Parlamento em Novembro de 1906. Na sessão de 20 de Novembro de 1906, Afonso Costa disse: Por menos do que fez o Sr. D. Carlos. Rolou no cadafalso a cabeça de Luís XIV. Deputados republicanos suspensos durante um mês.

22

Manifestação de apoio a Afonso Costa. 63 pessoas presas

28

Comício republicano no Porto

29

Protestos contra o governo da Associação dos Lojistas


Dezembro

2

Comício republicano no Porto mobiliza cerca de 12 000 pessoas

8

Comício republicano em Leiria

14

Conselho de Estado sanciona adiamento das Cortes até ao final de 1906.

15

Pimentel Pinto critica o facto de trinta militares da guarnição do Porto se terem inscrito num centro regenerador-liberal. No dia seguinte, João Arroi volta a criticar o facto

21

Afonso Costa e Alexandre Braga regressam à Câmara dos Deputados. Há uma mensagem de apoio subscrita por cerca de quarenta e cinco mil pessoas.

23

Banquete de homenagem aos deputados republicanos na rua da Junqueira em Lisboa.

29

Regresso do rei a Lisboa, vindo de Vila Viçosa. Há uma manifestação de homenagem

 


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: