Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

Eleições de 1953 (8 Novembro)

Em 1953, o mundo parecia mudar, com a posse de Eisenhower, como presidente norte-americano, em 20 de Janeiro, e a morte de Estaline, em 5 de Março. Em Porugal, o regime comemorava um quarto de século da subida de Salazar ao poder, em 27 de Abril, com sessão conjunta das duas câmaras, Te Deum na igreja de S. Domingos e visita à Universidade de Coimbra. Aliás, em 28 de Maio, Salazar até dava uma conferência sobre o Plano de Fomento, proclamando que a Europa empobreceu com as suas guerras e o seu socialismo. Contudo, nessa mesma Europa, o anticomunismo pareceia crescente com a vitória da democracia-cristã em Itália (7 de Junho) e o começo da revolta anticomunista de Berlim (17 de Junho). Relativamente às eleições para a Assembleia Nacional de 8 de Novembro de 1953, há apenas que referir a circunstância da oposição ter apresentado candidaturas em Lisboa, Porto e Aveiro, com resultados decepcionantes, apesar da militância de Acácio Gouveia, Adão e Silva, Sá Cardoso, Nuno Rodrigues dos Santos, Vasco da Gama Fernandes, Cunha Leal e António Sérgio, que organiza para o efeito uma Comissão Promotora do Voto, enquanto os comunistas defendem a abstenção. Outros candidatos da oposição por Lisboa são António Rodrigues Direito, Arnaldo Constantino Fernandes, Carlos Sá Cardoso, Fernando Mayer Garção, Mendes cabeçadas, José Moreira de Campos e Luís da Câmara Reis. Entre as novidades do processo, destacou-se o esboço de uma dita oposição nacionalista que chegou a querer concorrer em Aveiro, ao mesmo tempo que se anunciou a criação de um Partido Cristão Democrático, na sequência do Congresso da JUC, e que se conhecia a circunstância do advogado Ramada Curto abandonar o velho Partido Socialista. Enquanto isto, o grupo da Causa Monárquica não deixou de apelar ao voto nos candidatos monárquicos das listas da União Nacional.

Em termos formais era a 7ª eleição legislativa do Estado Novo.  A oposição consegue 10,1% em Lisboa. 11,8% no Porto. 8,7% em Angola.

Oposição apresenta-se em Lisboa, Porto e Aveiro, inspirada pela Comissão Promotora do Voto, de António Sérgio. Comunistas defendem a abstenção                                                              

Aparece o Movimento Nacional Popular de Rolão Preto.

Manifestam-se o Partido Republicano Português e o Partido Socialista.

Surge uma Secção Portuguesa da Internacional Operária.

Fala-se na organização de um Partido Cristão Democrático.                                                                                  

Remodelação no governo, com a entrada de Marcello Caetano, para a presidência, e de Antunes Varela, justiça (14 de Agosto de 1954)

Conferência de Bandung (Abril de 1954)

Votada a entrada de Portugal na ONU (14 de Dezembro de 1954)

Surge a Fundação Calouste Gulbenkian, que havia falecido em 1954 (1956)

Contestação estudantil ao ministro Lopes de Almeida (Dezembro de 1956)

Mário Soares organiza uma Resistência Republicana e Socialista (1953-1954)

Marcello Caetano organiza o grupo da Choupana, fazendo a ligação com Craveiro Lopes em ruptura com o grupo de Santos Costa (1955)

Surge a Acção Democrato-Social, com Mário Azevedo Gomes, Jaime Cortesão e António Sérgio (1956)

Nuno Rodrigues dos Santos cria a Frente Nacional Liberal e Democrata em 1957

I Congresso Republicano de Aveiro, organizado por Mário Sacramento, em Outubro de 1957

© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: