Reformadores (dissidentes do PS) 1979
 

Depois de António Barreto, Medeiros Ferreira e Francisco Sousa Tavares abandonarem o PS, na primavera de 1979, é anunciado, em Abril desse ano, em pleno governo presidencial de Mota Pinto, o manifesto reformador, subscrito pelos dois primeiros.

Surge como reacção contra a rejeição, pelo PS e PSD, do orçamento de Estado apresentado por esse governo presidencial.

Consideram que os actuais partidos dificilmente poderão entender-se para governar o país, já que foram criados apenas para tomar o poder. Na altura o CDS lançara a ideia de uma Frente Democrática Eleitoral e não tardará que o PSD de Sá Carneiro proponha a Aliança Democrática, a que vão aderir os reformadores.

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 30-04-2007