Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Carneiro, Francisco Lumbralles de Sá (1934-1980)


Figura central do processo político português da década de setenta.
Fundador do Partido Popular Democrático em 1974. Líder da direita democrática, durante o PREC e a pós-revolução, assume a chefia do primeiro governo da Aliança Democrática, depois de vencer as eleições de 1979.
Morre tragicamente em 1980, não conseguindo os seus intentos de uma maioria, um governo e um presidente, dado que o respectivo candidato presidencial é derrotado.

Natural do Porto. Licenciado em direito por Lisboa.
Advogado na terra natal, é eleito deputado da União Nacional em 1969. Torna-se num dos mais destacados elementos da ala liberal da Assembleia Nacional, criticando frontalmente o regime, nomeadamente em defesa dos direitos humanos.
Em entrevista ao jornal República, em 16 de Abril de 1971, declara-se social-democrata.
Em 26 de Janeiro de 1973, renuncia a deputado e começa a colaborar no semanário Expresso.
Fundador do Partido Popular Democrático em 3 de Maio de 1974.
Ministro do I Governo Provisório, é o elemento do governo mais próximo de Palma Carlos.
Marcado pelo modelo do catolicismo político, semeado pelo Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes, assume-se como social democrata logo em 1972, quanto muitos viam nele o ponto de partida para o lançamento de um partido democrata-cristão.
Desiludido com a experiência de colaboração com o marcelismo, enquanto deputado da ala liberal, transforma-se num dos quatro principais líderes políticos do Portugal revolucionário e pós-revolucionário, distinguindo-se, mais pelo estilo do que pela ideologia, tanto dos centristas de Diogo Freitas do Amaral, apoiado pelos democratas-cristãos e pelos conservadores europeus, como dos socialistas democráticos de inspiração marxista, liderados por Mário Soares e protegidos pela Internacional Socialista.
Depois da experiência de dois governos constitucionais do PS, no primeiro monopartidário e no segundo com o apoio e a participação do CDS, Sá Carneiro assume uma jogada de risco, atacando frontalmente o PS e os modelos eanistas.

 


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: