Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Cerejeira, D. Manuel Gonçalves (1888-1977)


Símbolo do acordo entre a Igreja Católica e o Estado Novo, numa época marcada pela dupla de amigos Salazar-Cerejeira. Os dois instalam-se no poder de Lisboa no mesmo ano. Contudo, mantiveram sempre uma certa independência institucional, havendo algumas divergências de fundo, desde o facto do Cardeal rejeitar a dissolução dos escoteiros católicos, visando integrá-los na Mocidade Portuguesa, à sua intenção de institucionalização de uma universidade católica, sempre adiada por Salazar que pretendia restaurar a Faculdade de Teologia. Mais recentemente, veio a saber-se que Cerejeira chegou a pôr a hipótese da constituição de um partido democrata-cristão, sendo, para o efeito, contactado António Alçada Baptista.

 

Professor da Faculdade de Letras de Coimbra. Fundador do CADC. Cardeal Patriarca de Lisboa  (1929-1972).

Vida universitária
Concluído o seminário em Braga (1909), logo se matricula na então Faculdade de Teologia de Coimbra, sendo ordenado sacerdote em 1911. Depois de formado na nova Faculdade de Letras (1916), torna-se aí professor de História Medieval. Doutora-se em 1918.

Militância política católica
Militante do CADC e companheiro de Oliveira Salazar, funda e dirige o jornal O Imparcial, em 1912. A partir de 1917, milita no Centro Católico Português.

De Coimbra para Lisboa
Em Março de 1928 vem para Lisboa como auxiliar do Patriarca D. António Mendes Belo. Nomeado Patriarca em Agosto de 1929, toma posse em 22 de Janeiro de 1930.

Cardeal Patriarca de Lisboa
Lança a Acção Católica Portuguesa em 1932. Apoia a institucionalização da Rádio Renascença em 1937. É um dos pilares da Concordata e do Acordo Missionário de 1940. Inaugura a Universidade Católica em 1967. Resigna em Maio de 1971.

    Bibliografia:

·O Renascimento em Portugal. Clenardo

1918. Dissertação de doutoramento.

·A Igreja e o Pensamento Contemporâneo

1925.

·A Idade Média

1936.

·Vinte Anos de Coim

© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: