Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


Gomes, D. António Ferreira (n. 1906)

 

Bispo do Porto de Outubro de 1952 até 1982. Exilado por Salazar de 1959 a 1969. Considera que a o humanismo marxista a prolongar-se em divinismo, temos de opor eficazmente o humanismo infinito do Homem-Deus , a realizar-se indefinidamente no homem pessoal e no homem histórico. A maior força social, porque maior realidade humana, ainda é o ideal

Defesa do direito natural

A sociedade humana resulta da pessoa humana e fundamenta-se na lei natural. Não resulta da vontade dos fortes nem da união dos fracos; não nasce dum pacto social, nem recebe a essência, nem sequer a essencial existência, duma postulação ou determinação positiva.

Na base da sociedade está a pessoa humana e toda a forma de sociedade human que escravize, tolha ou apouque a pessoa humana é por isso menos sociedade humana, coexistência mais afastada da convivência, existÊncia mais afasada da essência, vida colectiva mais afastada da saúde colectiva   

em vez de uma sociedade assente sobre a posse de bens terrenos com ius utendi et abutendi, podemos idear uma sociedade em que o uso pessoal e familiar dos bens seja ius procurandi et dispensandi. Em vez de uma sociedade assente sobre a propriedade como fonte de poder, não é difícil idear uma sociedade que considere a propriedade como princípio e garantia de liberdade pessoal. Em vez de uma sociedade assente sobre o ter, podemos idear uma sociedade em que o homem se valore pelo ser.

   

  Bibliografia:

·Endireitai as Veredas do Senhor! Alguns Documentos Pastorais do Bispo do Porto, desde 1952 até Janeiro de 1959

Porto, Livraria Figueirinhas, 1970­.

  

·Ecumenismo e Direitos do Homem na Tradição Antiga Portuguesa

Porto, Edições Telos, 1974.

  

·Paz em Portugal pela Reconciliação dos Portugueses

Porto, Edições Telos, 1975.

  

·Rearmamento Moral e Desmilitarização


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: