Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

 

1853

Quando compreendi que o sacrifício dos meus interesses políticos ao partido legitimista nada lhe aproveitavam, ao passo que me faziam a mim o mais grave prejuízo, resolvi, sem desonra, ser empregado...

Camilo Castelo Branco

Janeiro

Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

·Conflito com Roma por causa do Padroado (Maio)

µAlexandre Herculano começa a publicar O Portuguez, base da futura oposição histórica. Começa a ser quebrada a unidade que marcava o situacionismo, com a cisão de muitas pessoas oriundas do setembrismo moderado.

·Primeiro caso de cólera em Valença (Outubro)

Morte de D. Maria II (15-11). A nobre, infeliz senhora, chegava oportunamente ao fim da sua vida atribulada, ela que era a sinceridade viva (OM, PC, II, p. 266). Regência de D. Fernando. D. Pedro viaja pela Europa de Maio de 1853 a 1855.

 

&

Começa a Guerra da Crimeia que durará até 1856, no mesmo ano em que se inicia o fabrico em série de relógios e surgem os primeiros cabos submarinos no Mar do Norte, enquanto russos e americanos intervêm no Japão. É então Ludwig von Rochau inventa a expressão Realpolitik, não para qualificar a atitude de Bismarck, mas antes para criticar a postura dos liberais alemães nos anos de 1848-1849,

Mommsen edita História de Roma e aparece a Rapsódia Húngara de List, sendo também de referir a publicação por John Calhoun de A Disquisition on Government. Já Franz Lieber (1800-1872) edita Civil Liberty and Self Government. Em França, Arthur de Gobineau (1816-1882) publica Essai sur l’Inegalité des Races Contemporaines, uma das bases teóricas do racismo contemporâneo, e Proudhon, então na prisão, escreve La Philosophie du Progrès. O Papa coloca no Index as obras galicanas.

Em Portugal, no ano da morte de D. Maria II e João Bernardo da Rocha Loureiro, continua governo de Saldanha, sob a regência de D. Fernando, dá-se a primeira utilização dos selos postais e começam os trabalhos para o assentamento das linhas de caminhos de ferro.

Oliveira Marreca apresenta na Academia das Ciências um projecto sobre estatística, surge O Portuguez e o Jornal do Commercio, enquanto Garrett publica Folhas Caídas e se edita o quarto volume da História de Portugal de Alexandre Herculano, que é eleito presidente da Câmara de Belém pela oposição histórica. Defende então que o país seja governado pelo país.

José Joaquim de Almeida Moura (1801-1861) é eleito Grão-Mestre do Grande Oriente de Portugal, enquanto o mesmo cargo, na Maçonaria Eclética Portuguesa é assumido por Miguel António Dias (1805-1878), enquanto se aprovam os estatutos do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, criado em 5 de Maio de 1851.

Já Camilo Castelo Branco confessa: quando compreendi que o sacrifício dos meus interesses políticos ao partido legitimista nada lhe aproveitavam, ao passo que me faziam a mim o mais grave prejuízo, resolvi, sem desonra, ser empregado (JF, p. 116). E interroga-se: como pode o que nasceu do ventre da Revolução e acordou dos sonos da infância ao ruir dos pardieiros da velha sociedade; como pode o povo de Deus, guiado pela coluna luminosa da ciência – adorar o simulacro banal e materialíssimo do culto antigo? (JF, p. 125).

Janeiro

2 Discurso da Coroa. Assume-se em oposição o deputado Basílio Alberto de Sousa Pinto. Critica os actos ditatoriais do governo que não tem maioria clara na Câmara dos Pares (DP, VII, p. 334).

29 Napoleão III casa com Eugénia do Montijo, nas Tulherias.

Março

23 Medidas de fomento florestal. Distribuição gratuita de sementes de pinheiros. Fomento da cultura da amoreira. Responsabilização das câmaras municipais pelos projectos de povoamento florestal. Em 26 de Novembro será nomeada uma comissão para a redacção de um Código Florestal, integrando Rodrigo Morais Soares.

Maio

4 Decreto estabelece o regulamento postal. Serviços de correios tinha saído dos negócios estrangeiros e passado para o ministério das obras públicas (AF, p. 258).

10 Aprovados os estatutos da Companhia Central Peninsular dos Caminhos de Ferro de Portugal, a quem o governo concedeu a construção do caminho de ferro de Lisboa até à fronteira espanhola. Neste dia são solenemente inaugurados os trabalhos.

Neste mês, conflito com o Papa. Considera-se que um breve pontifical afecta o nosso Padroado no Oriente.

D. Pedro, acompanhado pelo visconde de Carreira parte para uma viagem à Europa. Recebe Napoleão III em Bolonha em Maio de 1854.

31 Nicoalu I da Rússia ordena a ocupação dos principados do Danúbio.

 

Junho

2 Armada britânica é enviada para os Dardanelos. Segue-se-lhe a armada francesa, no dia 14..

16 Aprovam-se os estatutos do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, criado em 5 de Maio de 1851, por iniciativa da Confederação Maçónica Portuguesa. À frente do centro vai estar o próprio grão-mestre da confederação, António Rodrigues Sampaio (de 1852 a 1863), surgindo, como outros dirigentes, Francisco Maria de Sousa Brandão e Gilberto António Rola (AHOM, HMP, III, p. 287).

Julho

2 Exército russo atravessa o Pruth e invade os principados do Danúbio.

Agosto

12 As cortes são adiadas por 125 dias até 15 de Dezembro de 1853 (DP, VII, p. 334).

13 Lei cria a cadeira de Direito Administrativo e Princípios de Administração na Faculdade de Direito (AF, p. 234).

19 Decreto organiza a secretaria de Estado dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça.

Outubro

Epidemia desencadeada a partir de 1853 em Portugal. O primeiro caso surgiu em Valença, neste mês, e os primeiros focos instalam-se em Maio de 1854. A epidemia recrudesce em Outubro de 1855. De Abril a Junho de 1856, a epidemia assola Lisboa, sendo apenas extinta em Novembro. Morrem, na capital, durante esse ano, 3 275 pessoas.

4 Império otomano declara guerra à Rússia.

Novembro

15 Morte de D. Maria II. Tinha, então 34 anos. D. Fernando jurado regente no dia 19 de Novembro (DP, VII, p. 335). A nobre, infeliz senhora, chegava oportunamente ao fim da sua vida atribulada, ela que era a sinceridade viva (OM, PC, II, p. 266).

                         

 

 

 


 
© José Adelino Maltez
Todos os direitos reservados.
Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência:
Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info)
Última revisão em: 11-04-2009