Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

Behaviorismo

O behaviorismo, de behavior a forma norte americana do inglês behaviour, ou comportamento, veio dizer que, nas ciências sociais, importava limitar a análise aos comportamento observável dos seres humanos, porque só deste modo se conseguiria a objectividade . O homem, como os restantes animais, funcionaria segundo o chamado S -R schema, dado que um determinado estímulo (S) produziria uma resposta (R). O comportamento humano não passaria de uma série de combinações variadas de estímulos provindos, por um lado, do estado de necessidade e, por outro, do estado do ambiente, que conduzem à espécie de comportamneto característico dos diversos organismos, para utilizarmos a terminologia de Hull. Não haveria pois necesidade de recorrermos à noção de fim ou de intenção, para a análise de uma conduta humana. Além disso, conhecendo-se muitos casos de respostas aos mesmos estímulos, seria possível elaborar uma teoria capaz de prever o comportamento humano de forma precisa e científica. A ciência deveria portanto sistematizar e quantificar as observações e depois tratá-las de acordo com os métodos quantitativos. A procura de uma ciência pura, através da análise dos comportamentos observáveis dos seres humanos, considerados como simples respostas a estímulos provindos do ambiente. A procura da regularidade dos comportamentos políticos, a fim de poderem estabelecer-se generalizações e teorias com valor explicativo; pela subordinação de todas as afirmações e de todas as teorias à verificação empírica; pela elaboração de rigorosas técnicas de pesquisa, recolha, registo e interpretação de dados; pela utilização predominante dos métodos quantitativos; pela rejeição dos valores; e pela elaboração de uma sistematização dos conhecimentos adquiridos. 

A segunda geração da ciência política norte-americana, desenvolvendo o esquema sociologista, embrenhar-se-á na chamada revolução comportamentalista ou behaviorista, recolhendo, em primeiro lugar, os contributos da psicologia. A partir de então, considera-se que a ciência política deve reduzir-se ao estudo da acção política (political action), ao mero estudo do comportamento político dos indivíduos situados num determinado sistema social. Entende-se que a ciência política não é senão uma ciência do poder, uma ciência que deve estudar o poder em geral, essa possibilidade de levar outrem a fazer alguma coisa contra a respectiva vontade, essa forma de impor a esse outrem algo que este não deseja espontaneamente. Neste sentido, a política diluiu-se como simples subsistema do sistema social, passando a ser mera parcela ou um simples aspecto do social. O behaviorismo, de behavior (a forma norte americana do inglês behaviour) - sinónimo de conduta ou comportamento -, afirmou que, nas ciências sociais, importava limitar a análise aos comportamentos observáveis dos seres humanos porque só deste modo se conseguiria a objectividade.

 

O homem, como os restantes animais, funcionaria segundo o chamado S-R scheme, dado que um determinado estímulo (S) produziria uma resposta (R), em que o comportamento humano não passaria de uma série de combinações variadas de estímulos provindos, por um lado, do estado de necessidade e, por outro, do estado do ambiente, que conduzem à espécie de comportamento característico dos diversos organismos, para utilizarmos a terminologia de Hull. Não haveria necessidade de recorrermos à noção de fim ou de intenção para a análise de uma conduta humana. Além disso, conhecendo-se muitos casos de respostas aos mesmos estímulos, seria possível elaborar uma teoria capaz de prever o comportamento humano de forma precisa e científica. A ciência deveria, portanto, sistematizar e quantificar as observações, e depois tratá-las de acordo com os métodos quantitativos. A revolução behaviorista nos domínios da ciência política atingiu o seu clímax na década de cinquenta, quando se estabeleceu um estatuto de cientificidade para a disciplina, visando a adopção dos processos metodológicos das ciências naturais. Atingiu-se assim a predominância empírico-analítica, com a exigência da procura da regularidade e da uniformidade, a subordinação de todas as afirmações à verificação empírica, a adopção de técnicas de pesquisa marcadas pela precisão, a adopção de métodos quantitivos e a rejeição dos valores. A ciência política que nascera contra os excessos do normativismo jurídico, que produziram uma espécie de juridicização da política, transformar-se-á numa quase sociologia política. A procura do how, do como deve procurar-se a política através da pergunta sobre o como funciona, acabou por fazer esquecer o what, a pergunta sobre o que é a política. Com efeito, o exagero na procura dos factos levou a um acumular indiscriminado de informações sobre informações, àquele universo caótico que David Easton qualificou como hiperfactualismo. Aliás, tal revolução, que teve o seu apogeu com a eleição de Lasswell para a presidência da APSA em 1955, coincidiu com a própria divulgação da tese do fim das ideologias, assumindo-se como o cientismo típico de uma sociedade de abundância que considerava a filosofia política como coisa típica das eras de crise.

 

} Barash, David, Sociobiology and Behavior, Nova York, 1977.} Bass, B. M., Leadership, Psychology and Organizational Behaviour, Basingstoke, Macmillan Press, 1960.} Carey, G., Grahn, G. J., eds., The Post-Behavioral Era. Perspectives on Political Science, Nova York, David McKay, 1972.} Charlesworth, James C., The Limits of Behaviouralism in Political Science, Filadélfia, 1962.} Eulau, Heinz, The Behavioral Persuasion in Politics, Nova York, Random House Publishers, 1963.} Hurwitz, Leon H., Introduction to Politics. Traditionalism to Postbehavioralism, Theory and Pratice, Chicago, Nelson A. Hall Co., 1979.} Hyman, Herbert, Political Socialization. A Study in the Psychology of Political Behavior, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1959.} Kavanagh, Dennis, Political Science and Political Behavior, Londres, Allen & Unwin, 1983.} Killian, L. M., Turner, R. H., Colective Behavior, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1957.} Leiserson, A., Party and Politics. An Institutional and Behavioral Approach, Nova York, Alfred A. Knopf, 1958.} McCoy, C., Playford, J., eds., Apolitical Politics. A Critique of Behavioralism, Nova York, Cromwell, 1967.} Nieburg, Harold L., Political Violence. The Behavioural Process, Nova York, Viking Press, 1969.} Ranney, Austin, Essays on the Behavioral Study of Politics, Urbana, University of Illinois Press, 1962.} Renshon, Stanley A., Psychological Needs and Political Behavior, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1974.} Schwartz, D. C., Political Alienation and Political Behavior, Chicago, Aldine de Gruyter, 1973.} Segall, M. H., Human Behavior and Public Policy. A Political Psychology, Elmsford, Pergamon Press, 1977.} Smelser, Neil J., Theory of Collective Behavior, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.} Spragens Jr., Thomas A., The Dilemma of Contemporary Political Theory. Toward a Post-Behavioral Science of Politics, Nova York, Dunellen, 1973.} Thorson, Thomas Landon, The Biological Foundations of Political Science Reflexions on the Post-Behavioral Era, Munique, IPSA, 1970.} Truman, David B., «The Behavioral Movement in Political Science. A Personal Document», in Social Research, n.º Mar., 1968.

 

Behaviour Expressão inglesa de behavior ou comportamento,40,246

 

 




© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Última revisão em: 18-01-2004