Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

Do latim conceptus, de concipere, o mesmo que  cum+captare. Difere de conceptione, o acto de ser concebido, de ser gerado. O conceito é uma unidade de pensamento que exprime um termo cujos significados são declarados por definições, apenas servindo de referência, ou transição, para um objecto real.  O conceito é assim a mais pequena unidade dos processos conscientes do pensamento Trata-se de uma palavra ou de uma frase destinada a descrever relações existentes no mundo real. Neste sentido, os conceitos nunca são verdadeiros nem falsos, mas apenas mais ou menos úteis.

Kant

Segundo Kant, o conceito é toda a noção que é geral, mas sem ser absoluta.

 

Nas ciências sociais, apenas podemos observar os conceitos de forma indirecta ou mediata, através de indicadores. Há, assim, conceitos empíricos, os que podem ser observados, que podem ser reconduzidos a coisas observáveis, e conceitos teóricos, não observáveis (v. g. o conceito de sistema), que apenas podem ser definíveis no âmbito da teoria em que se usam. Todos os conceitos são marcados pela ambiguidade, dado que o símbolo que o reflecte, a palavra, o significante, pode não reflectir o significado. Há poucas palavras e muitos significados (v. g. a palavra portuguesa poder e os significados puissance e pouvoir da língua francesa). Daí a importância das definições verbais declarativas e do recurso aos léxicos. As definições operacionais  incluem no seu interior a especificação do campo dos referentes empíricos do conceito.  Os indicadores  são conceitos mais específicos que o conceito abstracto e servem de ponte de passagem entre o conceito abstracto e as definições operacionais. Parsons chega mesmo a dizer que uma teoria não passa de um esquema conceitual logicamente articulado.

Conceitos (Moncada). Um dos instrumentos com que a mente humana capta a realidade, juntamente com os quadros mentais, os esquemas ordenadores, as leis gerais do pensamento. Não são apenas formais, mas também constitutivos. Não servem apenas para organizar a experiência; servem também para criar o próprio objecto.

 

O conceito apenas serve de referência ou transição para um objecto real. Compreensão do conceito, conjunto de caracteres ou notas representativas nele expressas. Extensão, o maior ou menor número de objectos ou realidades a que ele pode aplicar-se. Em certas ciências, como na química, todos os conceitos usam definições operacionais, dado que nas definições se incluem operações que podem medir os conceitos. Nas ciências sociais, apenas podemos observar os conceitos de forma indirecta ou mediata, através de indicadores. Há, assim, conceitos empíricos, os que podem ser observados, que podem ser reconduzidos a coisas observáveis, e conceitos teóricos, não observáveis (v. g. o conceito de sistema), que apenas podem ser definíveis no âmbito da teoria em que se usam.

·Todos os conceitos são marcados pela ambiguidade, dado que o símbolo que o reflecte, a palavra, o significante, pode não reflectir o significado. Há poucas palavras e muitos significados (v. g. a palavra portuguesa poder e os significados puissance e pouvoir da língua francesa). Daí a importância das definições verbais declarativas e do recurso aos léxicos. As definições operacionais  incluem no seu interior a especificação do campo dos referentes empíricos do conceito.  Os indicadores  são conceitos mais específicos que o conceito abstracto e servem de ponte de passagem entre o conceito abstracto e as definições operacionais. Parsons chega mesmo a dizer que uma teoria não passa de um esquema conceitual logicamente articulado.

·Weber chama aos conceitos, os parafusos lógicos e Moncada entende-os como os remos que a embarcação do nosso espírito utiliza, quando pretende navegar no mar da experiência. E, como refere Garaudy, o conceito quando é verdadeiro, quando reflecte correctamente a realidade exterior, aproxima-nos do concreto. HEGEL, 26, 170  (verdade, coisa, ideia) HEGEL, 26, 171 –Clareza e manipulação, 4, 25 –Criador da realidade, 13, 98  -Diferença entre o geral e o universal, 13, 98 –Imanente à realidade, 13, 98 Conceito jurídico, 4, 23 Conceito valorativo e conceito operatório, 2, 14 Conceito, o que está entre o ser e o devir HEGEL, 26, 170 Conceitos de essência COING, 13, 99 Conceitos fundamentais –Stammler, 31, 203 Conceitos gerais empíricos OING, 13, 99 Conceitos, 13, 97

© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 14-12-2003