Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

Larenz, Karl –Comunidade,51,321–Conceito e o todo significante,13,98–Neo-hegelianismo,37,232 O hegelianismo também é patente na primeira fase de Karl Larenz  (n. 1903), nas obras Rechts und Staatsphilosophie der Gegenwart (1935) e Sittlichkeit und Recht (1943). Na primeira, chega mesmo a observar que a comunidade que integra o indivíduo é sempre e necessariamente a nação constituída em Estado e forjada em bloco pelo sangue, a raça e o espírito. Como o próprio reconhece, à distância de quase uma geração e à luz da experiência, a concepção de Estado que, nessas primeiras obras, assumiu era excessivamente orientada pelo encarecimento optimista de Hegel  da racionalidade e moralidade do ser estadual da sua época. Depois disso, vê a filosofia do Estado de Hegel como parte da sua ética e da sua filosofia do direito, mais condicionada pela sua época e, por conseguinte, mais débil. Reconhece, contudo, que o mais extraordinário contributo de Hegel permanece a sua lógica do “conceito concreto” e, para além disso, o desenvolvimento da ética e da teoria material de Kant , no sentido de uma teoria material  dos valores, principalmente na primeira parte da sua filosofia dos valores.

 




© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Última revisão em: 12-02-2009