Respublica           Repertório Português de Ciência Política            Total: D/Dr
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                © José Adelino Maltez. Última revisão em: 03-01-2004
 

[A] [B] [C] [D] [E] [F] [G] [H] [I] [J] [K] [L] [M] [N] [O] [P] [Q] [R] [S] [T] [U] [V] [X] [W] [Y] [Z]

 

Lista de artigos

Artigos em grosso

Dreyfus, Caso

Dreyfus, Michel

Droit (Le) des Gens ou Principes de la Loi Nturelle Appliquée aux Nations, 1758

Dror, Yehzkel

Droz, Numa

Droz, Jacques

Drucker, H. M.

Drumont, Édouard Adolphe 1

Drury, Shadia

Dryzek, John S.

Duarte,Afonso
 

Draï, Raphael Membro do grupo da filosofia do desejo. Analisa o inconsciente na vida política, referindo o carácter fálico do poder: o Estado permanece falocrático, mesmo em democracia liberal dita pluralista. Até porque o militante coloca o Chefe no lugar do seu Eu, para por o seu Eu no lugar do Chefe, acreditando que assim recupera narcisisticamente uma parcela do poder fálico. A vida política é vista como uma ordem edipiana, com uma dupla lógica: a da relação fálica e a da castração. Há uma castração colectiva que leva a recalcamentos. Assim, as revoluções e as revoltas são processo vingativos, processos de libertação face ao recalcamento promovido pelo tal caácter fálico e castrador do poder político.
·Le Pouvoir et la Parole
Paris, Librairie Payot, 1981.
·«Science Politique et Psychanalyse»
In Grawitz, Madeleine, Leca, Jean, Traité de Science Politique, vol. III, pp. 141 segs., Paris, Presses Universitaires de France, 1985.
·La Politique de l’Inconscient
Paris, Librairie Payot, 1989.
 
 
 
Dreyfus, Caso 1894-1906 O oficial francês Alfred Dreyfus (1859-1935), depois de acusado de passar segredos para a Alemanha, foi condenado, num ambiente social e político antijudaico. Emile Zola em 13 de Janeiro de 1898 sai em defesa de Dreyfus em J’accuse, é apoiado pelo jonal L'Aurore de Clemenceau. A campanha, depois de denunciar o anti-semitismo, logo passa a movimento anticlerical, com movimentações dos radicais e da maçonaria, contando com o apoio de Anatole France. Do lado dos anti-Dreyfus, unem-se católicos e monárquicos, de Barrès a Maurras, destacando-se o jornal católico La Croix, que denuncia os judeus como inspiradores do anticlericalismo.. Neste ambiente, surge, a partir de 1899, a república radical, quando Waldeck-Rousseu constitui em Julho desse ano o govern de défense républicaine. nas eleições de 1902 triunfa a république militante que leva à lei da separação.
 
Dreyfus, Michel, L’Europe des Socialistes, Bruxelas, Éditions Complèxe, 1991.
 
Droit (Le) des Gens ou Principes de la Loi Nturelle Appliquée aux Nations, 1758 De Emmerich de Vattel. O primeiro tratado propriamente dito de direito internacional no sentido moderno, onde se abandona o conceito de civitas maxima de Wolff, substituindo-se o mesmo pela ideia de societé des nations, onde se reconhece a pluralidade dos Estados soberanos. Contudo, ainda se continua a considerar, à maneira hobbesiana, que as leis são regras estabelecidas pela autoridade pública, para serem observadas na sociedade.
 
Dror, Yehzkel, Ventures in Policy Sciences. Concepts and Applications, Nova York, Elsevier Publishing Co., 1971.
 
Droz, Numa (1844-1899) Presidente da Confederação Helvética, de 1887 a 1891, autor de um manual de Educação Cívica, traduzido em português por Trindade Coelho.
 
Droz, Jacques
·Histoire des Idées Politiques en France
Paris, 1966.
·Le Socialisme Démocratique 1864-1960
Paris, Librairie Armand Colin, 1966.
·Le Romantisme Allemand et l’État
Paris, Librairie Payot, 1966.
 
Drucker, H. M., The Political Uses of Ideology, Basingstoke, Macmillan Press, 1974.
 
Drumont, Édouard Adolphe 1844-1917Escritor francês. Animador do jornal anti-semita La Libre Parole, aparecido em 1892. Defende o carácter inferior dos judeus, criticando os banqueiros apátridas e acusando o grupo de instigar a corrupção. A obra antecede a questão Dreyfus. Considera que foram os judeus que introduziram o capitalismo em França. Porque o semita é negociante por instinto, tem vocação para o tráfico, a genialidade para tudo o que for troca, para tudo o que for oportunidade de enganar o seu semelhante, enquanto o ariano é agricultor, mange e, sobretudo, soldado: a guerra é o seu verdadeiro elemento, ele corre alegremente para o perigo, desafia a morte. A partir de então o anti-semitismo passa para a esquerda, dado que tinha sido defendido por autores como Fourier, Blanc, Proudhon e Blanqui.
·La France Juive, 1886 (cfr. Paris, Flammarion, 1985).
·La Fin du Monde. Essai d'Histoire Contemporaine, 1888.
·De l'Or, de la Boue et du Sang, 1896.
 
Drury, Shadia, The Political Ideas of Leo Strauss, Basingstoke, Macmillan Press, 1988.
 
Dryzek, John S., Discursive Democracy. Policy and Political Science, Cambridge, Cambridge University Press, 1990.
, Farr, James, Stephen, Leonard, Political Science in History. Research Programs and Political Tradition, Cambridge, Cambridge University Press, 1995.