Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


<<||Home|1974-Hoje|1926-1974|1910-1926 
Políticos Portugueses da Ditadura Nacional e do Estado Novo (1926-1974)
A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M|N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

 

Ochoa, Gama (1877-1941) Armando Humberto da Gama Ochoa. Oficial da Armada. Unionista e sidonista, é deputado de 1915 a 1917. Ministro da Ditadura Nacional. Em cerca de vinte dias chega a gerir quatro pastas. Membro do triunvirato de 1 a 3 de Junho de 1926, com as pastas do interior, dos negócios estrangeiros e da instrução pública. Ministro das colónias de 19 de Junho a 6 de Julho de 1926. Ministro de Portugal em Paris de 1926 a 1941.

 

 

Oliveira, António Correia de (1879-1960) Poeta neogarrettista, ligado aos movimentos culturais do Integralismo Lusitano e da revista Águia. Salazarista ferveroso, de crença monárquica, transforma-se num dos poetas oficiosos do Estado Novo, com inúmeros textos escolhidos para os livros únicos de língua portuguesa do sistema de ensino primário e secundário. Pai do ministro J. G. Correia de Oliveira.

 

 

Oliveira, Artur Águedo de (1894-1978) Figura grada do Estado Novo. Formado em Direito por Coimbra (1917) e doutorado em 1923, com uma dissertação sobre O Imposto de Rendimento na Teoria e na Prática. Deputado de 1935 a 1968. Da Junta Central da Legião Portuguesa e da Comissão Executiva da União Nacional. Juiz do Tribunal de Contas, depois de ter sido subsecretário de Estado das finanças nos anos trinta e ministro da mesma pasta na primeira parte da década de cinquenta. Autor de Filosofia Moral e Política do Estado Novo. A Nova Constitucionalidade, Lisboa, União Nacional, 1937, bem como de A União Nacional como Direcção Política Única, 1937, e de Portugal Perante as Tendências da Economia Mundial, 1947.. Subsecretário de Estado das Finanças  de 9 de Fevereiro de 1931 a 23 de Outubro de 1934. Ministro das Finanças de 2 de Agosto de 1950 a 7 de Julho de 1955.

 

 

Oliveira, António César Gouveia de (1941-1997)  Historiador político português. Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras do Porto. Doutor pelo ISCSP (1986) e professor do ISCTE, desde 1976. Foi militante do PCP até aos anos sessenta. Depois de 1974, próximo de Melo Antunes, é fundador do MES, com Jorge Sampaio e João Cravinho. Durante o PREC chega a ser alcunhado como o historiador da classe operária. Alinha com a UEDS e acaba por aderir ao PS. Deputado pela UEDS quando se constitui a Frente Republicana e Socialista. Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital em 1990-1994. Um dos fundadores da efémera licenciatura de ciência política da Universidade Internacional. Figura generosa de militante romântico que nunca deixou de praticar a irreverência mesmo quando o seu partido estava no poder. Desapareceu prematuramente, vítima de doença prolongada.

·O Operariado e a República Democrática. 1910-1914

Porto, Edições Afrontamento, 1972.

·A Criação da União Operária Nacional

Porto, Afrontamento, 1972.

·O Socialismo em Portugal. 1850-1900. Contribuição para o Estudo da Filosofia Política do Socialismo em Portugal na Segunda Metade do Século XIX

Porto, Edições Afrontamento, 1973.

·O 1º Congresso do PCP

Lisboa, Seara Nova, 1974.

·A Revolução Russa na Imprensa Operária da Época

Lisboa, Diabril, 1975.

·Treze Cartas de Portugal para Marx e Engels

Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1978.

·Portugal e a II República de Espanha

Lisboa, Perspectivas & Realidades, 1987. Dissertação de Doutoramento.

·Salazar e o seu Tempo

Lisboa, O Jornal, 1991.

·Os Anos Decisivos. Portugal 1962-1985. Um Testemunho

Lisboa, Editorial Presença, 1993.

·Cem Anos de Relações Portugal/ Espanha. Política e Economia

Lisboa, Cosmos, 1995.

 

 

Oliveira, Domingos Augusto Alves da Costa (1873-1957) General desde 5 de Maio de 1928 e comandante da guarnição militar de Lisboa desde 1927, tudo depois do levamtamento do 28 de Maio de 1926, a que aderiu como Comandante da Brigada de Cavalaria de Estremoz. Em 1910 era Comandante do Regimento de Lanceiros 2, mostrando-se fiel à monarquia. Ligado ao chamado Movimento das Espadas de 1915 e que vai levar Pimenta de Castro ao poder. Presidente do ministério entre 21 de  Janeiro de 1930 a 5 de Julho de 1932. Retoma o posto de comandante militar de Lisboa em 1932, mas deste se demite passando à resreva em 1938, depois de em 1937 liderar o movimento de protesto contra as reformas militares promovidas por Santos Costa. Membro do Conselho de Estado desde 1949. Autor do livro Raças Cavalares Portuguesas.

 

 

Oliveira, Eduardo de Arantes e (n. 1907) Ministro das obras públicas de Salazar entre 2 de Abril de 1954 e 12 de Abril de 1967. Engenheiro civil pela Escola Militar (1929). Passa à resreva como major em 1952. Ligado a Duarte Pacheco, torna-se depois íntimo do grupo de Marcello Caetano. Director do Laboratório Nacional de Engenharia Civil desde 1947. Torna-se no ministro das inaugurações do salazarismo, herdando a imagem do tecnocrata construtor, na senda de Fontes Pereira de Melo e de Duarte Pacheco. Está, sobretudo, ligado ao processo de electrificação do país através da construção das barragens hidroeleéctricas, deste modo cumprindo parte do sonho de Ezequiel de Campos. É o grande projectista da Ponte Sobre o Tejo de Lisboa, dita sucessivamente Ponte Salazar e Ponte 25 de Abril. Governador de Moçambique com Marcello Caetano, a partir de 1 de Março de 1970, sucedendo a Baltazar Rebelo de Sousa, na véspera da Rodésia se transformar em república. Durante o salazarismo assume-se como o ministro das inaugurações, tendo uma grande visibilidade pública, face ao aparecimento da televisão.

 

 

Oliveira, Fernando Alberto de Ministro das comunicações de 27 de Março de 1969 a 15 de Janeiro de 1970. Havia sido secretário de Estado da aeronática desde 3 de Maio de 1967.

 

 

Oliveira Júnior, Francisco de Paula (1908-1993). Dito Pavel. Destacado e mítico militante dos tempos heróicos do PCP. Operário no Arsenal da Marinha catequitizado por Bento Gonçalves (1929). Em Janeiro de 1932 já aparece como secretário da Federação da Juventude Comunista Portuguesa. Contudo, a partir de Abril de 1939 instala-se no México, desaparecendo da cena política portuguesa. Aí adopta o novo nome de Antonio Rodriguez, tornando-se escritor e professor universitário, de tal maneira se ligando ao Novo Mundo que até esquece a língua materna.

 

 

Oliveira, J. G. Correia de ( 1921 José Gonçalo da Cunha Sottomayor Correia de Oliveira. Filho do poeta António Correia de Oliveira, assume-se como um dos principais tecnocratas do salazarismo, destacando-se como o principal negociador português para a fundação da EFTA. Membro do governo durante década e meia, nos anos cinquenta e sessenta. Abalado pelos escândalos dos ballets roses, acaba tragicamente, já depois de 1974. Secretário de Estado do orçamento e do comércio (de 21 de Julho de 1955 a 4 de Maio de 1961). Ministro da Presidência (de 22 de Junho de 1961 a 19 de Março de 1965). Ministro da economia de Salazar e Marcello Caetano (de 19 de Março de 1965 a 27 de Março de 1969).

 

 

Oliveira, Luís Alberto de (1880-1956) Oficial do Exército e membro do CEP. Governador civil de Coimbra durante o sidonismo. Ministro da guerra de 11 de Março de 1933 a 23 de Outubro de 1934.  Divergências com Salazar levam-no a pedir a demissão a Carmona em Março de 1934.

 

 

Oneto, Fernando (n. 1929) Um dos tradicionais oposicionistas ao salazarismo desde 1958.

 

© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 20-12-2003