Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


<<||Home |1974-Hoje|1926-1974 |1910-1926 
Políticos Portugueses da I República (1910-1926)
A|B|C|D|E|F| G|H|I|J|K|L|M| N|O|P|Q|R|S|T| U|V|W|X|Y|Z

 

Baptista, António Maria (1860-1920) Oficial do exército. Combate nas campanhas de África e assume-se como militante do partido democrático depois de 1910. Actor em momentos marcantes como em 1915, 1916 e 1917, quando pôs a espada ao serviço do modelo afonsista de república, contra Pimenta de Castro, Machado Santos e a restauração monárquica, passa a corporizar a esperança dos democráticos no sentido de um programa de defesa intransigente da ordem pública, contra a agitação sindical e a actividade bombista, a partir de 1919, quando exerce as funções de ministro da guerra. Pelo estilo pretoriano, consegue granjear para o situacionismo democrático o apoio das chamadas forças vivas. Chamado a organizar governo em 1920, morre no exercício destas funções, em pleno conselho de ministros, vítima de uma apoplexia, depois de receber uma carta insultuosa. Fica, depois, célere o aforismo: ou é da minha vista ou estás a pedir um Baptista. Companheiro de Mouzinho em Moçambique. Membro do Partido Democrático. 1915 Participa na revolta de 1915 contra Pimenta de Castro, ao lado de Álvaro de Castro, em Santarém. 1916 Combate a revolta de Machado Santos de 13 de Dezembro de 1916. 1919 Participa na Grande Guerra. Combate a revolta monárquica de Monsanto em 23 e 24 de Janeiro de 1919. Célebre pela repressão das greves, já como coronel, sendo conhecido como o Baptistinha. 1919 Ministro da guerra do governo de Domingos Pereira, de 30 de Março a 29 de Junho de 1919.  1920 Presidente do ministério e ministro do interior em 8 de Março de 1920.

 

 

Baptista, Roberto da Cunha  (1874-1932) Oficial do exército. Franquista, adere à República, passando a democrático e acompanhando os alvaristas nos reconstituintes. Chefe de gabinete de Pereira Basto em 1913-1914. Ministro da geurra de 20 a 30 de Novembro de 1920.

 

João Tamagnini Barbosa

Barbosa, João Tamagnini de Sousa. Candidato derrotado em 1911, quando se apresentou como esquerdista contra o PRP. Circula entre os apoiantes de Brito Camacho. Membro do Partido Centrista Republicano que em 1917 se destacou dos evolucionistas (companheiro de Egas Moniz e Malva do Vale). Ministro de Sidónio Pais, entre 12 de Dezembro de 1917 e 14 de Dezembro de 1918. Ocupou as pastas das colónias, do interior e das finanças. Chefe do governo de 23 de Dezembro de 1918 a 27 de Janeiro de 1919. Grão mestre da maçonaria do rito escocês em 1933.

 

Barbosa, José (1869-1923). Natural da ilha do Fogo. Jornalista republicano, colaborador de A Lucta. Maçon desde 1910. Alinha sempre com o grupo camachista e integra, depois, o partido liberal. Deputado, chega a ministro das colónias em 1920. Fica célebre por ter apresentado em 21 de Junho de 1911 um projecto constitucional presidencialista. Deputado desde 1911. Membro do grupo camachista desde sempre. Em 1910-1911 participa na luta entre o respectivo grupo, disto então grupo do directório, contra os chamados provisórios. Faz a ponte com os democráticos em 1912, através de Álvaro de Castro e dos jovens turcos, numa política de aproximação sancionada por Afonso Costa para isolar o grupo evolucionista. Em Dezembro de 1916 critica a política de saneamento de oficiais pelos democráticos, depois da revolta de Machado Santos, considerando que a República caminha para o abismo. Critica o presidencialismo de Sidónio Pais em Fevereiro de 1918. Como liberal, é ministro das colónias de 25 de Janeiro a 8 de Março de 1920, no governo de Domingos Pereira. Já aparecia em tal posto no governo frustrado de Afonso Costa de 15 de Janeiro do mesmo ano.

 

 

Barreto, António Xavier Correia (1853-1939). Oficial do exército, inventor da pólvora sem fumo. Ministro Ministro da guerra do  Governo Provisório da I República, mantém íntimas ligações com o grupo dos jovens turcos, liderado por Álvaro de Castro. O respectivo chefe de gabinete é o capitão Alfredo Sá Cardoso; o ajudante de campo do ministro, o tenente Helder Ribeiro; o chefe de estado maior da 1ª divisão, o capitão João Pereira Bastos, apoiados por outros tenentes como Álvaro de Castro, Álvaro Poppe, Américo