Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


<<||Home|1974-Hoje|1926-1974|1910-1926 
Políticos Portugueses da I República (1910-1926)
A|B|C|D|E|F| G|H|I|J|K|L|M| N|O|P|Q|R|S|T| U|V|W|X|Y|Z

 

Navarro, Ernesto Júlio (1876-1938) Filho de Emídio Júlio Navarro e pai de André Francisco Navarro. Engenheiro civil por Paris. Participa em três governos da I República, em 1917, 1919-1920 e 1922, nas áreas do trabalho, do comércio e da agricultura. Oriundo dos monárquicos, adere aos democráticos, sendo director-geral das colónias. Subsecretário de Estado do Trabalho e Previdência Social de 26 de Maio a 9 de Dezembro de 1917, no governo de Afonso Costa (com o ministro Lima Basto). Ministro do comércio no governo de Sá Cardoso, de 30 de Junho de 1919 a 21 de Janeiro de 1920. Ministro da agricultura no governo de António Maria da Silva, de 6 de Fevereiro a 30 de Novembro de 1922.

 

 

Neto, António Lino (1873). Autor de A Questão Agrária (1908), foi fundador e dirigente do Centro Católico Português.

 

 

Neuparth, Augusto Eduardo (1859-1925) Almirante. Ministro da marinha do governo de Bernardino Machado, de 9 de Fevereiro a 12 de Dezembro de 1914.

 

 

Neves, J. A. Azevedo (1877-1955) João Alberto Pereira de Azevedo Neves. Professor de Medicina. Primeiro reitor da Universidade Técnica de Lisboa, de 1931 a 1947. Maçon desde 1911. Ministro do comércio de Sidónio Pais e Tamagnini Barbosa de 9 de Outubro de 1918 a 27 de Janeiro de 1919. É então conhecido como monárquico. Chega a ocupar interinamente a pasta dos estrangeiros, durante a ausência de Egas Moniz. Da aministração da Companhia Portuguesa de Tabaco é, por ironia da luta pela vida, director da Associação Internacional para o Estudo do Cancro.

 

 

Nobre, Augusto Pereira (1865-1946) Naturalista por Coimbra. Especialista em zoologia. Irmão de António Nobre, publica o em 1902, com o nome de Despedidas, com um prefácio de Sampaio Bruno. Democrático, maçon desde 1911. Assumirá a linha ortodoxa de apoio a António Maria da Silva e dos bonzos. Ministro da instrução pública de 26 de Junho a 19 de Julho de 1920, no governo de António Maria da Silva; de 30 de Novembro de 1920 a 2 de Março de 1921, no governo de Liberato Pinto; de 6 de Fevereiro a 30 de Novembro de 1922, no governo de António Maria da Silva. Reitor da universidade do Porto entre 1919 e 1925.

 

 

Nunes, Jorge Vasconcelos (1878-1936) Democrático. Por três vezes ministro da I República em 1919 e 1920, nos sectores da agricultura e do comércio. Engenheiro agrónomo, filho de José Jacinto Nunes. Maçon desde 1910, é militante unionista e, depois, liberal. Grande proprietário rural. Ministro da agricultura no governo de José Relvas, de 27 de Janeiro a 30 de Março de 1919. Ministro da agricultura do governo de Domingos Pereira, de 30 de Março a 29 de Junho de 1919. Ministro do comércio de 21 de Janeiro a 8 de Março de 1920, no governo de Domingos Pereira.

 

 

Nunes, José Jacinto (1839-1931) Advogado, Presidente da Câmara Municipal de Grândola desde 1870. Deputado republicano em 1893. Deputado e senador depois de 1910. Homem dos tempos da propaganda durante a monarquia, autor de Descentralização, 1870, e Reivindicações Democráticas, 1886. Tanto é adepto da descentralização, como um típico latifundiário democrático, sendo um forte apoiante de Brito Camacho.

 

Nota: Investigação biográfica em curso. © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 20-12-2003