Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004


<<||Home|1974-Hoje|1926-1974|1910-1926 
Políticos Portugueses da I República (1910-1926)
A|B|C|D|E|F| G|H|I|J|K|L|M| N|O|P|Q|R|S|T| U|V|W|X|Y|Z

 

Ramos, Francisco Luís. Ministro da marinha de 21 de Outubro a 5 de Novembro de 1921.

 

 

Ramos, João de Deus (1878-1953) Filho do poeta João de Deus. Advogado. Ministro por duas vezes, na I República, em 192 e em 1924-1925.

1920

Ministro da instrução pública de 21 de Janeiro a 8 de Março de 1920.

1924

Ministro do trabalho no governo de José Domingos dos Santos, de 22 de Novembro de 1924 a 15 de Fevereiro de 1925.

 

 

Rego, Jaime Daniel Leote do (1867-1923). Oficial da armada. Deputado franquista em 1906. Maçon desde 1912. Chefe militar da revolta contra Pimenta de Castro em 1915.

 

 

Reimão, Ventura Malheiro (1886-1965) Engenheiro militar. Militante dos democráticos. Ministro das finanças de Tamagnini Barbosa de 23 de Dezembro de 1918 a 27 de Janeiro de 1919.

 

 

Reis, António Pereira (1867-1952) Formado em direito, é um dos dissidentes progressistas que adere à república. Ministro do interior no ministério da União Sagrada, presidido por António José de Almeida, de 16 de Março de 1916 a 29 de Maio do mesmo ano, na qualidade de independente.

 

 

Reis, Carlos Cândido dos (1852-1910) Almirante, o indigitado chefe da revolução de 5 de Outubro, que se suicidou na véspera do evento.

 

 

Reis, Francisco Coelho Amaral (1873-1938) Visconde de Pedralva. Formado em direito e agronomia. Um dos dissidentes progressistas que participa na revolta de Janeiro de 1908 e que, depois, adere à república. Governador civil de Viana do Castelo em 1914-1915 e de Angola, em 1919-1920. Várias vezes deputado. Ministro da agricultura no governo de Vitorino Guimarães, de 15 de Fevereiro a 1 de Julho de 1925.

 

 

Reis, José Mendes dos (1873-1970) Oficial do exército, destaca-se como comandante da guarnição de Lisboa em 1919. Do partido liberal, é ministro da guerra do frustrado governo de Fernandes Costa em Janeiro de 1920. Maçon desde 1927, dirige o movimento revolucionário desse ano e adere à revolta de Sousa Dias em 1931.

 

 

Relvas, José Maria Mascarenhas (1858-1929) Grande agricultor ribatejano. Começando por frequentar a Faculdade de Direito de Coimbra, vem para Lisboa, onde conclui o Curso Superior de Letras. Ministro da fazenda do governo provisório, de 12 de Outubro de 1910 a 3 de Setembro de 1911. Ligado a Manuel Brito Camacho, logo nomeia Inocêncio Camacho para secretário-geral do ministério, donde passa para governador do Banco de Portugal. Representa o grupo do directório do partido e conta com especiais ligações ao jornal A Luta. Surge, depois, como aliado de João Chagas. Maçon desde 1911. Um dos principais líderes da Associação Central da Agricultura Portuguesa. Presidente do governo de concentração republicana, de 26 de Janeiro a 30 de Março de 1919, que faz a transição do sidonismo para a nova República Velha. Autor de Memórias Políticas, 2 vols., 1977-1978.

 

 

Ribeiro, Almeida (1865-1943) Artur Rodrigues de Almeida Ribeiro. Juiz da Relação de Lisboa de 1907 a 1919 e do Supremo Tribunal de Justiça, de 1919 a 1927. Membro do Conselho Superior Colonial desde 1911. Deputado, a partir de 1913. Militante dos democráticos, foi, por quatro vezes, membro de governos da I República, nos sectores das colónias, das finanças e do interior, de 1913 a 1917. Em 1914 apresenta propostas de alteração do regime de administração ultramarina, transformadas nas Leis ns. 277 e 278 de 14 de Agosto, onde segue as ideias de António Enes. Estas leis apenas serão revogadas em 1919, quando se adopta o sistema britânico da autonomia. Foi irradiado do partido democrático por aceitar ser vogal do Conselho Superior das Colónias em 1928. Ministro das colónias do governo de Afonso Costa, de 9 de Janeiro de 1913 a 9 de Fevereiro de 1914. Ministro do interior no governo de Afonso Costa de 29 de Novembro de 1915 a 15 de Março de 1916. Subsecretário de Estado das finanças de 18 de Maio de 1916 a 25 de Abril de 1917, no governo da União Sagrada. Ministro do interior no governo de Afonso Costa, de 25 de Abril a 10 de Dezembro de 1917 (neste período foi também interino da instrução pública e das finanças).

 

 

Ribeiro, Hélder (1883-1973) Hélder Armando Santos Ribeiro. Republicano antes de 1910. Maçon. Colaborador de Cândido dos Reis. Deputado à Constituinte (1911). Membro dos jovens turcos, é sucessivamente democrático, reconstituinte e accionista. Combatente da Flandres. Ministro da guerra nos governos de Sá Cardoso e Domingos Pereira, de 29 de Junho de 1919 a 8 de Março de 1920. Ministro da guerra de 19 de Julho a 20 de Novembro de 1920, no governo de António Granjo. Ministro da instrução no governo de Álvaro de Castro, de 28 de Fevereiro a 6 de Julho de 1924. Ministro do comércio de 23 de Junho a 6 de Julho de 1924, no mesmo governo, em substituição de Nuno Simões. Ministro da guerra de 22 de Novembro de 1924 a 15 de Fevereiro de 1925, no governo de José Domingues dos Santos. Colaborador da Seara Nova. Será uma das figuras tutelares da oposição ao salazarismo. Preso em Julho de 1930. Implicado no movimento de 26 de Agosto de 1931 é demitido. Preso em 24 de Agosto de 1933, amnistiado em 1936. Indicado como ministro do interior numa revolta de 1941. Membro da Junta Militar da oposição em 1944. Membro do MUNAF em 1945. Alinha no MUD. Pertence ao Conselho de Organização Nacional de 1947. Membro da candidatura de Norton de Matos em 1948-1949. Ligado à Causa Republicana de 1954. Alinha na Frente Nacional Liberal e Democrata de 1956. Faz parte do directório Democrato-Social. Apoia a candidatura de Huberto Delgado em 1958. Subscreve o Programa para a Democratização da República de 1961. Gerenet de uma fábrica de conservas de Matosinhos desde 1934.

 

 

Ribeiro, Joaquim António de Melo e Castro (1882-1953). Democrático. Ministro da agricultura de 27 de Janeiro a 8 de Março de 1920. Ministro da agricultura no governo de António Maria da Silva de 13 de Agosto a 15 de Novembro de 1923. Ministro da agricultura no governo de Álvaro de Castro, de 23 de Fevereiro a 6 de Julho de 1924

 

 

Ribeiro, José de Freitas (1868-1929) Capitão de fragata. Maçon. Governador de Moçambique em 1910-1911. Ministro das colónias do governo de Augusto de Vasconcelos, de 13 de Novembro de 1911 a 16 de Junho de 1912. Ministro da marinha do governo de Afonso Costa, de 9 de Janeiro de 1913 a 9 de Fevereiro de 1914. Governador da Índia em 1917-1919.

 

 

Ricardo, João Luís (1875-1929) Médico, republicano antes de 1910. Ministro da agricultura no governo de Sá Cardoso, de 3 a 21 de Janeiro de 1920. Ministro da agricultura de 8 de Março a 26 de Junho de 1920. Administrador geral do Instituto de Seguros Sociais Obrigatórios.

 

 

Rocha, Albino Vieira da (1885-1950) Professor da Faculdade de Direito de Lisboa de 1913 a 1942. Militante democrático desde 1915, alinha com os outubristas e o Partido Republicano de Fomento Nacional. Maçon desde 1916. Subsecretário de Estado das finanças do governo de Afonso Costa, de 30 de Abril a 9 de Dezembro de 1917. Adere ao Estado Novo, sendo procurador à câmara Corporativa.

 

 

Rocha, Vieira da  (1872-1952) Ernesto Maria Vieira da Rocha. Antigo militar da Guarda Municipal monárquica. Ministro da guerra no governo de António Maria da Silva de 30 de Novembro a 7 de Dezembro de 1922. Ministro da guerra no governo de Rodrigues Gaspar, de 6 de Julho a 22 de Novembro de 1924. Ministro da guerra no governo de Vitorino Guimarães, de 15 de Fevereiro a 21 de Abril de 1925 (terá cooperado com a revolta dos fifis dessa data). Ministro da guerra no governo de Domingos Pereira, de 1 de Agosto a 30 de Outubro de 1925. Ministro das colónias no mesmo governo, de 30 de Outubro  de 1925 a 17 de Dezembro de 1925. A mesma pasta no governo de António Maria da Silva, entre 17 de Dezembro de 1925 a 30 de Maio de 1926.

 

 

Rocha, Manuel Ferreira da (1885-1951) Militante dos liberais, sendo deputado por Macau. Ministro das colónias de 19 de Julho a 20 de Novembro de 1920 e de 30 de Agosto a 19 de Outubro de 1921. Ligado à companhia de seguros Tagus.

 

 

Rodrigues, António Maria Bettencourt  (1854-1933) Médico, discípulo de Charcot em Paris. Exerce clínica no Brasil. Militante unionista. Embaixador em Paris em 1913. Ministro dos negócios estrangeiros de 9 de Julho de 1926 a 10 de Novembro de 1928. Um dos teóricos da comunidade luso-brasileira. Tanto alinha com o sidonismo, como, depois, com o Estado Novo. Autor de 28 Meses no Ministério dos Estrangeiros.

 

 

Rodrigues, Daniel José (1877-1951) Magistrado, jornalista e poeta, com o nome literário de Daniel Salgado. Vogal da comissão central para a execução da Lei da Separação. Deputado. Governador civil de Lisboa em 1913-1914. Ministro das finanças no governo de Rodrigues Gaspar, de 6 de Julho a 22 de Novembro de 1924. Administrador da Caixa Geral de Depósitos de 1915 a 1930.

 

 

Rodrigues, Rodrigo José  (1879-1963) Médico em Cabo Verde e Goa. Professor da Escola Médica de Goa antes de 1910. Governador civil de Aveiro e do Porto em 1910 e 1911. Deputado de 1913 a 1918. Ministro do interior do governo de Afonso Costa, de 9 de Janeiro de 1913 a 9 de Fevereiro de 1914. Director da penitenciária de Lisboa até ao sidonismo. Inspector de prisões em 1919. Governador de Macau de 1922 a 1924. Participa na delegação portuguesa da Sociedade das Nações de 1925 a 1927.

·Macau. O Problema Português no Extremo Oriente

1925

·Álvaro de Castro. Definição da sua Personalidade e Época

1940

 

 

Rodrigues, Urbano (1888-1971) Secretário de Afonso Costa e Manuel Teixeira Gomes, enquanto membro do partido democrático. Director do jornal O Mundo. Redactor do Diário de Notícias. Adere ao Estado Novo.

 

© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 20-12-2003